PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro livrou-se do coronavírus, não das bananas

Getty Images
Imagem: Getty Images
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

13/03/2020 14h55

A boa notícia é que o coronavírus não conseguiu infectar Jair Bolsonaro. A notícia ruim é que o antebraço do presidente ainda não se livrou da mania de dar banana para a imprensa. Ao divulgar a boa nova nas redes sociais, o capitão ilustrou a nota sobre o resultado negativo do seu teste com uma imagem do gesto obsceno. Tornou-se um bananamaníaco.

Bolsonaro abespinhou-se com uma reportagem falsa segundo a qual um teste preliminar teria apresentado resultado positivo para coronavírus. Foi veiculada pela Fox News, emissora de estimação de Donald Trump. O diabo é que a falsidade foi atribuída a Eduardo Bolsonaro.

O filho Zero Três do presidente da República negou que tivesse fornecido matéria-prima para a fake news. Mas o repórter John Roberts, da Fox, escreveu nas redes sociais que Eduardo Bolsonaro disse e, depois, se desdisse. A emissora avalizou a versão do repórter.

A posteridade costuma ser traiçoeira. Às vezes valoriza detalhes que destoam da biografia de certas personalidades. Por causa de uma única fotografia, Albert Einstein teve o histórico de físico genial associado para sempre à imagem do homem meio abobalhado da língua de fora.

É a terceira vez que Bolsonaro dá banana para a imprensa. O gesto já foi fotografado e filmado. Como o presidente brasileiro ainda não produziu nada que se equipare à teoria da relatividade, corre o risco de passar à história apenas como um presidente que fornecia obscenidades como a bananeira fornece bananas.

Josias de Souza