PUBLICIDADE
Topo

Recessão volta ao vocabulário da equipe econômica

Getty Images/iStockphoto/liulolo
Imagem: Getty Images/iStockphoto/liulolo
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

18/03/2020 06h07

Contaminados pelo coronavírus, os prognósticos da equipe econômica do governo para o PIB de 2020 vão ganhando uma aparência microscópica. A palavra recessão voltou a frequentar o vocabulário dos economistas do governo.

"Faremos tudo para que o país não volte à recessão, mas já não é possível descartar inteiramente a hipótese de um crescimento zero ou até negativo em 2020", disse um dos principais auxiliares do ministro Paulo Guedes (Economia), em conversa telefônica com um parlamentar governista.

Durante a conversa, na noite desta terça-feira, o congressista disse ter ficado "assustado" com previsões feitas por Guedes, na semana passada, em reunião com lideranças do Legislativo. No pior cenário, vaticinara o ministro, o coronavírus rebaixaria o crescimento do PIB deste ano para algo em torno de 1%.

O assessor da pasta da Economia respondeu que "o cenário econômico não para de piorar". Disse que a pasta da Saúde estima que a encrenca "ainda vai piorar muito nos próximos três meses." Realçou que as exigências sanitárias de "isolamento social", por incontornáveis, anestesiam a atividade econômica.

Avalia que o desempenho da economia em março puxe para baixo a média de janeiro e fevereiro, tisnando o resultado do primeiro trimestre de 2020. E receia que o segundo trimestre já registre um desempenho negativo. O assessor de Guedes resumiu a conjuntura assim: "Estamos lidando com o imponderável."

Josias de Souza