PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro vive um dilema do tipo médico e monstro

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

28/03/2020 00h55

Bolsonaro vive um dilema do tipo Dr. Jekyll e Mr. Hyde —médico e monstro. O presidente agora gasta R$ 4,9 milhões numa campanha publicitária que prega o fim imediato do isolamento sem nenhum estudo científico que recomende a medida.

Nessa campanha, assim como no pronunciamento em que chamou o coronavírus de "gripezinha" em rede nacional de rádio e TV, Bolsonaro permite que o monstro ocupe o corpo do médico que avaliza medidas que o governo começa a adotar para proteger empresas e pessoas, favorecendo a manutenção do confinamento por mais algum tempo.

Essa dicotomia que faz com que médico e monstro coabitem o corpo do mesmo presidente mergulhou o governo numa rotina confusa. Para facilitar o trabalho da imprensa, a assessoria do Planalto deveria mandar confeccionar um par de broches. Um com a expressão 'o país não pode parar'. Outro com o slogan 'confinamento já'.

Nas paradinhas no portão do Alvorada, Bolsonaro usaria o broche número um —do país em movimento. Na assinatura de medidas anticrise ou no anúncio de ações de socorro a empresas e trabalhadores, o segundo broche — do desligamento temporário das fornalhas.

Nas reuniões oficiais, os broches ajudariam a próprio Bolsonaro a se autodisciplinar, evitando fazer o papel de monstro numa reunião com governadores em que o país esperava dele uma sobriedade de médico.

O maior problema é que, no fundo, todos sabem que não há como deixar de tratar os dois Bolsonaros como um só. A soma dos personagens resulta num presidente confuso, que tende a trocar a ciência pela conveniência política do candidato à reeleição.

Numa análise política, percebe-se que Bolsonaro tenta jogar no colo dos governadores uma recessão que se revela inevitável no mundo todo.

Numa leitura patológica, um exame psicológico talvez revelasse que o Brasil é presidido por um personagem cujos distúrbios fazem do exercício da Presidência um transtorno.

Josias de Souza