PUBLICIDADE
Topo

Até remédio vira veneno na retórica de Bolsonaro

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

08/04/2020 19h33

O presidente Jair Bolsonaro está desperdiçando a sua hora. Ele colocou raiva demais na sua receita. Fez isso num instante em que as coisas se tornaram tão complicadas que as soluções pareciam simples. Simples como o ABC.

A, surgiu um inimigo comum, o coronavírus; B, a guerra se ofereceu a Bolsonaro para que ele exercesse o papel de líder da nação; C, podendo elevar sua estatura, o presidente preferiu rebaixar o teto do seu gabinete.

Até medicamento vira veneno na retórica tóxica de Bolsonaro. O presidente achou razoável acusar dois dos mais renomados médicos do país, Roberto Kalil Filho e Davi Uip de ocultar por razões políticas informações sobre o uso de hidroxicloroquina em tratamentos pessoais contra o coronavírus. Insinuou que os doutores estariam a serviço do projeto político do governador paulista João Doria, que mordeu a isca da politização do remédio.

Um dos médicos, Roberto Kalil, admitiu ter usado a cloroquina, um anti-inflamatório, junto com corticoides e antibióticos. Livrou-se do vírus sem precisar ser entubado numa UTI. E recomenda o uso nos pacientes que, como ele, foram hospitalizados.

O depoimento de Kalil reforçou o acerto do governo ao atualizar portaria do Ministério da Saúde para estender o uso da cloroquina também para os casos graves, não apenas para pacientes em estado crítico.

O que não se compreende é o ódio de Bolsonaro, capaz de transportar um tema médico-científico para o campo da politicagem. A sucessão de 2022 ainda é um ponto longínquo na folhinha. Sabe-se que o presidente deseja se reeleger. Antes, precisa demonstrar capacidade de presidir o país.

O Brasil já teve outros dois presidentes movidos a ódio: Jânio Quadros e Fernando Collor. Também já teve uma presidente marcada pela incompetência: Dilma Rousseff. Foram três embustes. Se quiser, Bolsonaro pode fugir desses modelos. Ainda está em tempo.

Josias de Souza