PUBLICIDADE
Topo

PF agora tem de se imunizar contra 'efeito Bolsonaro'

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

26/05/2020 19h14

A Polícia Federal está na frigideira há um mês. Arde em fogo alto desde que Sergio Moro deixou o Ministério da Justiça batendo a porta. O inquérito que investiga a acusação de que Jair Bolsonaro interveio politicamente no órgão fez surgir no país uma discussão sobre algo que parecia indiscutível: a necessidade de assegurar que a Polícia Federal se mantenha como um órgão de Estado, não um aparato a serviço do governo ou do presidente.

É contra esse pano de fundo que surge a investigação envolvendo o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, num caso de desvio de verbas destinadas ao combate ao coronavírus. Na véspera da batida policial que apreendeu computador e celular do governador, uma deputada bolsonarista, Carla Zambelli, disse à Rádio Gaúcha que alguns governadores estão sob investigação da PF. E seriam alcançados por uma operação relacionada a desvios de dinheiro da saúde.

Afora a necessidade de verificar se houve vazamento, a manifestação da aliada de Bolsonaro e o comportamento do próprio presidente indicam que o país experimenta mais um retrocesso em relação a avanços obtidos na era da Lava Jato. O que havia de novo e saudável nesse período era o fato de que um braço do Estado passara a investigar, julgar e encarcerar personagens da oligarquia política e econômica que se imaginavam acima da lei.

A Lava Jato já não é a mesma. Eleito numa campanha em que se apresentou ao eleitor enrolado na bandeira da ética, Bolsonaro agora se acerta com o centrão. O bom senso recomendaria evitar que a PF perca a aura de órgão do Estado.

Quando um presidente declara que vai intervir num órgão como esse, de Estado, para bloquear "sacanagens" contra familiares e amigos não oferece um bom exemplo ao país. Mas fornece um extraordinário aviso.

Não há, até aqui, nenhuma evidência de que a operação contra Witzel fugiu do manual. Houve a participação regular do Ministério Público e do Superior Tribunal de Justiça. Mas fica claro que já não basta à PF realizar um trabalho tecnicamente irrepreensível. A polícia agora precisa imunizar-se contra o "efeito Bolsonaro".

Josias de Souza