PUBLICIDADE
Topo

Reação à sandice ideológica mudou de patamar

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

15/06/2020 15h18

A resposta institucional aos arroubos antidemocráticos de ativistas profissionais a serviço do bolsonarismo vai mudando gradativamente de patamar. Estamos agora no terceiro estágio. A fase das notas de repúdio ficou para trás. Foi substituída pela etapa do inquérito, aberto no mês passado pelo Supremo Tribunal Federal a pedido da Procuradoria-Geral da República. Avança agora para a fase das ordens de prisão.

A Polícia Federal recebeu meia dúzia de mandados de prisão, entre eles o de Sara Fernanda Giromini, a Sara Winter, uma das faces do autoproclamado grupo "300 do Brasil". Há um zero sobrando nessa logomarca. O grupo é, na verdade, um grupelho. Não chega a reunir 30 pessoas. Mas eles capricham na coreografia e na estridência. Oferecem farto material para a reação das instituições.

Os apologistas do presidente já haviam encenado defronte do Supremo Tribunal Federal uma performance de estética racista, que evocou a Ku Klux Klan. E neste final de semana o grupo promoveu o bombardeio do prédio do Supremo com fogos de artifício, disparados em meio a ameaças à Corte e ofensas aos seus ministros.

Diante de uma escalada da sandice ideológica, seja de direita ou de esquerda, o pior tipo de excesso que pode ser cometido é o excesso de moderação. Espanta, por exemplo, o silêncio de Jair Bolsonaro. O bolsonarismo alega que o caso é de liberdade de expressão. Engano. Trata-se de um típico episódio de dificuldade de se exprimir dentro dos limites legais. É preciso saber quem financia a maluquice antidemocrática.

Josias de Souza