PUBLICIDADE
Topo

Vírus avança e capitão guerreia contra máscara

Cristiano Machado/Reuters
Imagem: Cristiano Machado/Reuters
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

30/06/2020 20h49

Criticado no Brasil e no estrangeiro por negligenciar o combate à pandemia, Jair Bolsonaro foi à guerra. Combate não o vírus, mas o uso da máscara. Nesta terça-feira, o presidente celebrou uma vitória de Pirro.

Provocada pela Advocacia-Geral da União, a desembargadora Daniele Maranhão Costa, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, derrubou a liminar que o obrigava Bolsonaro a recobrir a face com uma máscara em locais públicos.

Eis o que anotou a magistrada em seu despacho:

"O Poder Judiciário não se presta à finalidade de incrementar a penalidade já existente por força da inobservância da norma, sob pena de usurpação de competência e fragilização da separação dos poderes, bastando que o Distrito Federal se valha de seu poder de polícia para fazer cumprir a exigência, ou sancionar o infrator com a imposição de multa, em caso de não observância."

Difícil entender a celebração de Bolsonaro. O que a desembargadora afirmou, com outras palavras, foi mais ou menos o seguinte: "Não é papel do Poder Judiciário ordenar a um presidente da República que cumpra um decreto que obriga o uso de máscara. Cada macaco no seu galho. Cabe ao governo do Distrito Federal, autor do decreto, exercer o seu poder de impor a Bolsonaro o respeito à norma. Se desrespeitar, que seja multado."

Quer dizer: assim como qualquer outro morador de Brasília, Bolsonaro é obrigado a usar a máscara. A multa, quando aplicada, é de R$ 2 mil.

O hipotético êxito de Bolsonaro lembra a vitória do rei Pirro, personagem que obteve um triunfo com gosto de derrota ao prevalecer sobre os romanos na célebre batalha de Ásculo. Pirro amargou tantas baixas em seu Exército que teria exclamado: Outra vitória como esta será a minha ruína!

No caso do negacionista Bolsonaro, o coronavírus já produziu 59.656 baixas. É esse o número de mortos do coronavírus até a noite desta terça-feira.

Josias de Souza