PUBLICIDADE
Topo

Guedes e Maia divergem sobre a volta da CPMF

AMANDA PEROBELLI
Imagem: AMANDA PEROBELLI
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

06/07/2020 04h16

Em matéria de reforma tributária, Paulo Guedes e Rodrigo Maia falam línguas diferentes expressando-se no mesmo idioma. Neste domingo, o ministro da Economia voltou a defender a criação de um imposto sobre transações financeiras digitais. O presidente da Câmara levou o pé à porta: "Até o fim de meu mandato à frente da Câmara dos Deputados, em 1º de fevereiro do ano que vem, não contem com a votação de qualquer imposto disfarçado de CPMF."

Em entrevista à CNN, Guedes minimizou as críticas ao novo tributo: "Todo mundo falava do imposto de transação que é muito ruim, é feio, uma areia do sistema. Mas tem uma base de incidência que traficante de droga não escapa, traficante de arma não escapa. Ninguém escapa. Corruptos não escapam."

Maia, que falou à Globonews e nas redes sociais, não se deu por achado: "É possível fazer mudanças tributárias sem a necessidade de criar novos impostos, e não podemos transferir para os brasileiros mais simples o que é da responsabilidade de cada um que rege um Poder no país."

Guedes não explicou —nem lhe foi perguntado— se já convenceu Jair Bolsonaro da conveniência de propor a versão digital da velha CPMF. No ano passado, o presidente interditou o debate sobre o tributo. Enviou para o olho da rua o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, que se negou a mudar de assunto.

De resto, Guedes esqueceu de mencionar que o novo tributo, além de alcançar traficantes e corruptos, morderia um pedaço do dízimo das igrejas. Marcos Cintra ousou mencionar o dízimo numa entrevista. Bolsonaro obrigou-o na época a se desdizer. A pressão dos evangélicos será a mesma. Resta saber se Bolsonaro mudou.

Josias de Souza