PUBLICIDADE
Topo

Carestia inflacionou a demagogia de Bolsonaro

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

11/09/2020 04h11

A carestia dos produtos da cesta básica inflacionou o preço da demagogia política. O governo de Jair Bolsonaro, que era apenas disfuncional, tornou-se uma balbúrdia gerencial que desvaloriza a cotação da ala liberal da Esplanada dos Ministérios.

A desordem não é alimentada por empresários impatrióticos. Ela vem de dentro de um governo desconexo, presidido por um personagem que aposta no tumulto como estratégia para se descolar das crises.

O governo ultrapassou a fronteira da irracionalidade. O Ministério da Economia cobra explicações da pasta da Justiça por ter intimado os supermercados a explicar o reajuste dos alimentos.

E o presidente revela numa transmissão ao vivo que autorizou o ministro André Mendonça, da Justiça, a deflagrar a investigação que irritou o colega Paulo Guedes, da Economia. Fez isso mesmo reconhecendo que não se deve tabelar preços.

Quer dizer: Para não ficar mal com o eleitorado humilde, Bolsonaro colocou um ministro para brigar com outro. E o governo conseguiu a façanha de gastar mais tempo e energia agravando o problema do que enfrentando-o.

Adotou-se com atraso a providência de zerar a alíquota para a importação de 400 mil toneladas de arroz. Parece pouco. Equivale ao consumo de cerca de duas semanas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL