PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Investigação sobre líder do governo gera bocejos

UESLEI MARCELINO
Imagem: UESLEI MARCELINO
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

17/09/2020 00h00

Líder de Jair Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros tornou-se alvo de uma investigação do Ministério Público do Paraná. O caso envolve corrupção e lavagem de dinheiro. Acusam-no de receber mais de R$ 5 milhões em propinas entre 2013 e 2014, quando era secretário de Indústria e Comércio do Paraná.

O que há de mais desalentador nessa notícia é a naturalidade com que ela foi recebida em Brasília. No circuito Congresso-Planalto-Esplanada dos Ministérios, ninguém fez a concessão de um ponto de exclamação. O Poder se espanta cada vez menos com inquéritos criminais. Se a polícia bate à porta do endereço de um poderoso, a oligarquia reage com bocejos.

Um detalhe conspira a favor da aceitação do inaceitável: o convívio com a suspeição tornou-se banal no Planalto. Candidato, Bolsonaro vendeu-se como opção antissistêmica. Presidente, acertou-se com o MDB e o centrão, dois aglomerados políticos protossistêmicos.

Expoente do PP, Ricardo Barros foi líder dos governos FHC, Lula e Dilma. Serviu como ministro de Temer. Antes de acomodá-lo na liderança do governo na Câmara, Bolsonaro havia confiado a liderança no Senado a Fernando Bezerra. Filiado ao MDB, Bezerra é antigo apoiador de Lula. Foi ministro de Dilma. Também é investigado por suspeita de desviar R$ 5,4 milhões em verbas públicas.

A serventia de Barros e Bezerra para Bolsonaro está associada mais à sobrevivência política do que à articulação de reformas liberais. A preocupação com MDB e centrão não é banal. Foi sobretudo graças à junção dos interesses desses grupos que Temer salvou-se de três denúncias criminais e Dilma foi mandada para casa mais cedo.

A exemplo do sapo de Guimarães Rosa, que não pula por boniteza, mas por precisão, é por necessidade que Bolsonaro encosta sua esgarçada nova política nos profissionais do ramo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Josias de Souza