PUBLICIDADE
Topo

PF refaz trilha da verba da cueca desde Brasília

21 set. 2020 - Senador Chico Rodrigues (DEM-RR) - Marcos Oliveira/Brazilian Senate Press Office/AFP
21 set. 2020 - Senador Chico Rodrigues (DEM-RR) Imagem: Marcos Oliveira/Brazilian Senate Press Office/AFP
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

18/10/2020 03h42

Estrelada por Chico Rodrigues, o senador da cueca endinheirada, a operação Desvid-19 tem um pé em Roraima e outro em Brasília. No estado, a Polícia Federal farejou desvios de R$ 20 milhões na aplicação de verbas federais que financiariam o combate à Covid-19. Na capital da República, apura-se a forma como o dinheiro foi liberado.

Os repasses estão escorados nas chamadas emendas parlamentares. Trata-se de uma ferramenta que deputados e senadores utilizam para destinar nacos do Orçamento da União aos seus berços eleitorais. Apanhado com R$ 33 mil depositados nos arredores das ancas, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) é um ás das emendas.

Amigo de duas décadas de Jair Bolsonaro, com quem mantinha o que o presidente chamou de "união estável", Chico tinha acesso privilegiado ao governo. Era vice-líder do governo no Senado. Correligionário de Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado, Chico integrava até a semana passada uma comissão do Congresso responsável por fiscalizar a alocação da verba destinada ao combate à pandemia.

Ex-bolsonarista, o senador Major Olímpio (SP), líder do PSL no Senado, frequenta a conjuntura há três meses com os lábios grudados no trombone. "O governo me ofereceu R$ 30 milhões em emendas", ele diz. "Dinheiro da covid-19." Caberia ao parlamentar indicar onde a verba seria aplicada. Olímpio refugou a oferta. Outros aceitaram. É contra esse pano de fundo que a operação Desvid-19 se move.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL