PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Bolsonaro avacalha a 'independência' da Anvisa

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

23/10/2020 03h30

Autoconvertido em garoto-propaganda da liberdade de infectar, Jair Bolsonaro conseguiu transformar sua aversão à "vacina chinesa do Doria" num processo de avacalhação da independência da Anvisa. O presidente disse que não manda na Anvisa, mas que a Agência de Vigilância Sanitária "não vai correr" para liberar vacinas contra a Covid-19.

Bolsonaro fez o comentário horas depois de o Instituto Butantan acusar a Anvisa de retardar a análise de um pedido de importação de insumos do laboratório Sinovac, para a produção da vacina chinesa no Brasil. Protocolada em setembro, a solicitação só seria analisada em novembro. Espremida, a Anvisa decidiu adiantar o relógio. Promete dar uma resposta em cinco dias úteis.

Foi contra esse pano de fundo que Bolsonaro disse em sua live das quintas-feiras ter conversado com o presidente da Anvisa, o contra-almirante Antonio Barra Torres. "Não vai ser em 72 horas, ele me disse, que ele vai autorizar a distribuição [de vacinas] no Brasil." A certificação de vacinas deve durar o tempo necessário à produção de imunizantes eficazes.

Qualquer outra velocidade —rápida demais ou excessivamente lenta— é insultuosa. Bolsonaro faria um bem inestimável à independência da Anvisa se parasse de falar dez vezes antes de pensar. Do contrário vai condenar a "independência" da agência a viver entre aspas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL