PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Crivella arrasta Bolsonaro para o desastre no Rio

Imagem usada por Marcelo Crivella em campanha pela reeleição no Rio de Janeiro traz a imagem de Jair Bolsonaro - Reprodução/Twitter
Imagem usada por Marcelo Crivella em campanha pela reeleição no Rio de Janeiro traz a imagem de Jair Bolsonaro Imagem: Reprodução/Twitter
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

23/10/2020 01h15

Normalmente, as pessoas acham que é sempre melhor se arrepender das coisas que experimentaram do que daquilo que deixaram de fazer. Exceto, naturalmente, luta de MMA, queda de avião e, no caso de Jair Bolsonaro, aliança com Marcelo Crivella na eleição municipal do Rio de Janeiro.

O presidente havia decidido que não se envolveria no primeiro turno das eleições municipais. De repente, decidiu abrir exceções. No Rio, seu berço eleitoral, Bolsonaro autorizou Crivella a utilizar sua imagem como peça da campanha à reeleição. A parceria revelou-se uma arapuca.

Crivella (13%) arrasta uma rejeição graúda: 58% dos cariocas dizem que jamais votariam no prefeito. E roça cotovelos com a delegada Marta Rocha (13%) e a petista Benedita da Silva (10%) por uma vaga no segundo turno.

Ainda que sobreviva ao primeiro round, Crivella vai ao segundo turno como candidato favorito a fazer de Eduardo Paes (28%) o próximo prefeito do Rio. Bolsonaro não ignorava o risco de infecção política. Deve estar arrependido de não ter mantido um certo distanciamento social de Crivella. E vice-versa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL