PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Aversão de Bolsonaro à vacina é aposta de risco

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

30/10/2020 04h07

"Procura outro pra pagar a tua vacina", disse Jair Bolsonaro a João Doria na sua tradicional live das noites de quintas-feiras. Ao converter a testagem, a produção, a certificação e a distribuição de vacinas contra a Covid em controvérsia eleitoral, Bolsonaro migra da condição de presidente para a de apostador.

Bolsonaro precisa apostar na ineficácia da vacina a ser fabricada no Instituto Butantan. Se for eficaz, o imunizante chinês, como qualquer outra vacina que se revele capaz de deter o vírus, tende a se tornar um objeto de desejo, pois pesquisa feita pelo Datafolha em agosto revelou que 89% dos brasileiros querem se vacinar.

O presidente já destinou R$ 4,5 bilhões para o desenvolvimento das vacinas de Oxford e do consórcio da OMS. Ainda que todas sejam um sucesso, serão insuficientes para imunizar todos os brasileiros. E Bolsonaro talvez tenha de fazer por pressão o que não fez por opção.

É curioso que o mesmo presidente que pregava a volta a uma hipotética normalidade desde março, quando o coronavírus começou a matar no Brasil, agora se transforme em pregoeiro da não-vacinação, arauto do direito de infectar. Bolsonaro fornece material para que o Supremo lhe imponha uma derrota.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL