PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Arma-se para Bolsonaro uma grande turbulência

Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
Imagem: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

12/11/2020 05h06

Com as contas nacionais em desalinho, o governo cogita levar ao freezer o Renda Cidadã. Esse programa substituiria o auxílio emergencial a partir de janeiro. O congelamento da ideia fará pelo menos três vítimas: o pedaço mais pobre da sociedade, a popularidade de Jair Bolsonaro e a agenda liberal de Paulo Guedes.

Nas suas duas versões —de R$ 600 e R$ de 300— o vale corona vem ajudando 67 milhões de pessoas a encher a geladeira durante a pandemia. Essa gente deve ingressar no Ano Novo com o pé esquerdo, pois a última parcela do bolsa vírus será paga em dezembro.

Com o anabolizante social, a popularidade de Bolsonaro deu um salto, roçando os 40%. O capitão invadiu cidadelas pobres do petismo no Norte e no Nordeste. Ninguém se lembra de que o governo tentou limitar o socorro a R$ 200. Os congressistas aprenderam uma lição culinária: quem prepara o melhor bocado nem sempre o come.

Aliados de Bolsonaro estimam que, submetido a um desmame, o prestígio do presidente deve refluir. Nessa hipótese, seus pendores populistas, já bem aguçados, o impediriam de pegar em lanças pela agenda de reformas liberais de sua equipe econômica.

A inação tende a potencializar o desassossego de Paulo Guedes, que começa a destilar em público frustrações que só sussurrava em privado. Coisas assim: "Estou bastante frustrado de estarmos aqui há dois anos e não termos conseguido vender nenhuma estatal."

Num esforço para atenuar a aterrissagem dos beneficiários do auxílio emergencial no Brasil da ruína fiscal, o governo cogita engordar a clientela do Bolsa Família. Hoje, estão cadastradas no programa 14,2 milhões de famílias. Deseja-se incluir pelo menos mais 3 milhões.

Dá-se de barato que Bolsonaro viverá no ano pré-eleitoral de 2021 uma turbulência em que se misturam a orfandade de Trump, a popularidade na descendente, as reformas paralisadas e língua desgovernada. Não é uma combinação benfazeja.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL