PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Bolsonaro consolida casamento com o centrão

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

27/01/2021 22h38

Jair Bolsonaro é um político atípico. Ele costuma dizer em voz alta, sob holofotes, o que outros apenas sussurram longe dos refletores. Nesta quarta-feira, após se reunir com deputados do PSL, seu antigo partido, o presidente declarou explicitamente qual foi o propósito da conversa. "Vamos, se Deus quiser, participar e influir", ele afirmou, referindo-se à disputa pela Presidência da Câmara. Todos os presidentes tentam emplacar aliados no comando do Legislativo. A diferença é que Bolsonaro não esconde as digitais.

Não são negligenciáveis as chances de que o deputado Arthur Lira, preferido de Bolsonaro, prevaleça sobre o cacique do MDB Baleia Rossi, apoiado por Rodrigo Maia. Presidente da Câmara apenas até segunda-feira, Maia adota um comportamento que denuncia a fragilidade do seu pupilo. Em telefonema ao articulador político do Planalto, general Luís Eduardo Ramos, Maia queixou-se da interferência do governo. Não teria reclamado se o deputado Baleia não estivesse sob risco de encalhar na praia.

Avalizado pelo Planalto, Arthur Lira frequenta a disputa munido de dois argumentos muito sedutores no Congresso: cargos e verbas. Abriu uma fenda no bloco de apoio do rival. Arrastou para o seu lado inclusive dissidentes do próprio DEM, o partido de Rodrigo Maia. Seja qual for o resultado, essa briga eleva a um novo patamar o relacionamento político de Bolsonaro com o centrão. O namoro virou casamento.

Há nas gavetas da Câmara quase seis dezenas de pedidos de impeachment. Bolsonaro enxerga na ascensão de Arthur Lira uma vacina capaz de imunizar o seu mandato. A blindagem terá um preço. Vem aí uma reforma ministerial. O ministro Paulo Guedes, da Economia, rala para levar ao balcão um lote de reformas econômicas. Sem negociação, o governo não sai do lugar. Mas é preciso que se esclareça o que o centrão deseja tomar e, sobretudo, o que Bolsonaro se dispõe a dar.