PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Surge no Paraguai o nariz do monstro da vacina

05.mar.2021 - Protestantes tomam as ruas de Assunção, no Paraguai, contra o presidente  Mario Abdo Benítez - REUTERS/Cesar Olmedo
05.mar.2021 - Protestantes tomam as ruas de Assunção, no Paraguai, contra o presidente Mario Abdo Benítez Imagem: REUTERS/Cesar Olmedo
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

08/03/2021 06h47

"Desculpe aí, pessoal, mas eu não errei nenhuma vez desde março do ano passado", disse Bolsonaro dias atrás a um grupo de devotos. "E não precisa ser inteligente para entender isso. Tem que ter um mínimo de caráter." Alguma coisa está errada quando o presidente de uma República viral e sem vacinas acha que está sempre certo.

Guiando-se por autocritérios, Bolsonaro avalia que seu penúltimo acerto foi enviar a Israel uma comitiva com a missão de trazer para esta terra de palmeiras e sabiás um spray "milagroso" anticovid. Beleza. Cegos existem em toda parte. Mas Bolsonaro faria um bem a si mesmo se prestasse atenção no barulho que vem do Paraguai.

O asfalto paraguaio ronca por vacinas. Aliado de Bolsonaro, o presidente Mario Abdo Benítez entrega o pescoço dos ministros para salvar o seu. Recompõe a equipe num instante em que as manifestações por imunizantes mostram apenas o nariz daquilo que o presidente Juscelino Kubítschek chamava de "o monstro".

O monstro, explicava Juscelino, é difícil de combater porque está em todos os lugares —rente ao meio-fio ou, em tempos virais, na janela batendo panelas. O monstro é a opinião pública. Demora a ferver. Mas, quando ferve, é difícil de deter.

O Paraguai nunca foi visto pelo Brasil como um bom exemplo. Na pandemia, virou um ótimo aviso. Contra o monstro da vacina, a cloroquina ou o spray nasal fazem o mesmo efeito de uma reza ou de um prato de sopa de morcegos da cidade chinesa de Wuhan.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL