PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Liberar igreja é ilegal, irracional e anticristão

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

04/04/2021 05h34

Enviado ao Supremo por ter compartilhado goles de tubaína com Bolsonaro, o ministro Nunes Marques fez mais um favor ao seu patrono: com uma canetada, autorizou o funcionamento de igrejas no auge da pandemia. Seu despacho é ilegal, irracional e anticristão.

A decisão é ilegal porque os decretos de governadores e prefeitos que proibiram momentaneamente a realização de cultos e missas estão escorados na Lei 13.979. Foi sancionada por Bolsonaro. Permite a estados e municípios impor medidas restritivas para inibir a proliferação do coronavírus.

O despacho é irracional porque um único ministro contrariou decisão do plenário da Suprema Corte. Por unanimidade, o tribunal reconheceu que governadores e prefeitos têm poderes para decretar medidas sanitárias restritivas no combate ao coronavírus em seus territórios.

O canetaço da toga de estimação de Bolsonaro é anticristão porque atropela até as sagradas escrituras. Nunes Marques tratou as tábuas de Moisés com desprezo abjeto. O vírus, como se sabe, mata. E a conversão de igrejas em covidários promove uma releitura homicida do "não matarás".

Num dia em que o total de mortos por covid ultrapassou a marca de 330 mil, Nunes Marques fez uma rara concessão ao óbvio: "Reconheço que o momento é de cautela, ante o contexto pandêmico que vivenciamos."

Mas o ministro transformou o óbvio em alicerce para a insanidade: "...Justamente por vivermos em momentos tão difíceis, mais se faz necessário reconhecer a essencialidade da atividade religiosa, responsável, entre outras funções, por conferir acolhimento e conforto espiritual", escreveu.

Chama-se Associação Nacional de Juristas Evangélicos a patrocinadora do recurso ao Supremo para abrir as igrejas. Há dúvidas quanto à legitimidade dessa entidade para se dirigir ao Supremo em nome das congregações.

Certos "juristas", "magistrados" e "autoridades" defendem os interesses de Deus com tal desenvoltura que vão acabar forçando o Todo-Poderoso a provar que existe, enviando Jesus de volta à Terra para sussurrar nos ouvidos dos seus defensores:

"Amai, senhores, amai. UTIs cheias pedem igrejas vazias. O 'conforto espiritual' pode ser obtido online. Preocupados com o dízimo? Lembrem-se do seguinte: a morte do rebanho extingue a coleta."