PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Lentidão do STF para definir formato do depoimento de Bolsonaro é um acinte

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

06/10/2021 09h21

Costuma-se dizer que as instituições funcionam bem no Brasil. O Supremo Tribunal Federal desafia essa percepção no caso sobre a interferência de Bolsonaro na Polícia Federal. Depois de um ano de espera, o plenário da Suprema Corte decidirá o formato do depoimento do presidente no inquérito aberto a partir de denúncias do ex-ministro Sergio Moro.

Por escrito ou presencial? Impossível afirmar que funciona adequadamente um tribunal que leva um ano para responder a uma pergunta tão singela e, ao mesmo tempo, tão relevante. Além de representar um acinte, a demora serviu como estorvo para a investigação e estímulo à delinquência.

Enquanto aguardava, Bolsonaro tornou-se um infrator em série. Apenas no Supremo, responde a quatro inquéritos. Ironicamente, o capitão reivindica um tratamento de Michel Temer.

Crivado de denúncias na época em que exerceu a Presidência, Temer foi autorizado pelos ministros Luís Roberto Barroso e Edson Fachin, em decisões individuais, a depor por escrito. Nesse formato, é evidente que os advogados respondem pelo investigado.

O ex-decano Celso de Mello, agora aposentado, negou o benefício a Bolsonaro. E o plenário do Supremo, dividido, dará a palavra final nesta quarta-feira.

Para uma pessoa como Bolsonaro, que fala dez vezes antes de pensar, ser interrogado por escrito, no ambiente inofensivo da folha de papel, é mais seguro do que num encontro cara a cara com um delegado. Mas ainda que fosse obrigado a encarar um delegado, o presidente poderia recorrer ao direito constitucional de ficar em silêncio para não se autoincriminar.

Além disso, Bolsonaro não corre maiores riscos, pois o destino final do inquérito policial será a mesa do procurador-geral da República Augusto Aras. Esse móvel, como se sabe, é 100% feito de gavetas.