PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Bolsonaro tornou-se um 'psicopresidenteopata' à espera da alta eleitoral

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

25/10/2021 08h56

Associado no relatório final da CPI da Covid à prática de nove crimes durante a pandemia, Bolsonaro revela-se um delinquente incorrigível. Em sua penúltima infração penal, utilizou a estrutura presidencial para propagar a mentira segundo a qual a vacina contra covid submete os vacinados ao risco de contrair a Aids. De uma tacada, o sujeito que deveria zelar pela saúde dos brasileiros conspirou novamente contra o único remédio eficaz no combate ao coronavírus e ainda propagou o vírus do preconceito contra quem tem que lidar com o HIV.

Bolsonaro virou um 'psicopresidenteopata' A psicologia ensina que são duas as principais características da psicopatia: a tendência a comportamentos antissociais e a ausência de qualquer sentimento de culpa em relação aos atos praticados. Com sua presidenteopatia, o inquilino do Planalto parece decidido a provar que, se existe o inferno, ele é um país presidido por Bolsonaro durante uma pandemia. O distúrbio mental já ultrapassou todos os limites. Até os administradores do Facebook e do Instagram, complacentes com Bolsonaro, já notaram que a coisa foi longe demais. Tiraram do ar o vídeo da live em que o presidente mentiu sobre vacinas e Aids.

Infelizmente, os personagens que fornecessem blindagem criminal e política a Bolsonaro —Augusto Aras e Arthur Lira— ainda não se deram por achados. Daí a reincidência de Bolsonaro. Propagar sandices uma vez é acontecimento, duas vezes é coincidência, três vezes é crime, quatro vezes é conivência de quem deveria agir para deter o delinquente, acima de cinco vezes é impunidade.

Impune, Bolsonaro sente-se à vontade para cometer crimes em série. Consolidou-se como um psicopata à espera de alta eleitoral.