PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Após tramar envio de Bezerra para TCU, Bolsonaro pode ter de engolir Kátia

Reprodução/TCU
Imagem: Reprodução/TCU
Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

23/11/2021 10h24

A Praça dos Três Poderes é o pedaço de um Brasil muito distante, onde a anormalidade é normal. No momento, desenrola-se ali uma dessas manobras em que os envolvidos se desobrigam de maneirar. Bolsonaro antecipou em quase um ano a aposentadoria do ministro do TCU Raimundo Carreiro, indicando-o para o posto de embaixador do Brasil em Portugal. Tramou acomodar no lugar dele o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

Na lateral oposta da praça, ministros do Supremo Tribunal Federal assistem à movimentação de Bolsonaro com inusitada passividade. O preferido do presidente para a vaga de fiscal da União no tribunal de contas responde a inquérito que corre na Suprema Corte com a velocidade de uma tartaruga com covid. Fernando Bezerra é acusado de corrupção. Coisa da época em que foi ministro de Dilma.

Numa outra margem da praça, sob a cuia emborcada que esconde o miolo do Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) comanda uma articulação que atravessa na traqueia de Bolsonaro o nome de Kátia Abreu (PP-TO). Ex-candidata a vice na chapa de Ciro Gomes, a senadora ganha ares de favorita na disputa pela poltrona no TCU. Supera Bezerra e também o colega Antonio Anastasia, nome da predileção do presidente do Senado Rodrigo Pacheco.

Articulador do pai no Senado, Flávio Bolsonaro começa a se render às evidências, aproximando-se de Kátia Abreu, a preferida do seu desafeto Renan. No início do mês, Bolsonaro disse numa solenidade oficial, diante das câmeras, que o TCU deixou de ser um órgão que amedronta. Tornou-se um tribunal que "participa das decisões governamentais como se fosse um órgão integrado a nós." A integração do TCU com o governo, quando é muita, estraga a obrigação de fiscalizar.