PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Bolsonaro vai a 2022 com ilusão de que rachadinha será excluída dos debates

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

26/11/2021 10h12

Bolsonaro revela-se otimista nos bastidores com a decisão que será tomada na terça-feira pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal no julgamento sobre o caso da rachadinha do primogênito Flávio. O Ministério Público do Rio de Janeiro pede que o caso seja devolvido ao juiz federal Flávio Itabaiana. O presidente avalia que será assegurado ao seu filho o foro especial do Tribunal de Justiça do Rio.

Bolsonaro deseja manter o processo sedado no pressuposto de que conseguirá excluir a rachadinha dos debates de 2022. Em entrevista à Rede TV, o presidente disse que pretende participar de debates, desde que não sejam abordados assuntos pessoais ou familiares. Trata-se de uma ilusão. Ou de um pretexto para a fuga.

Para salvar Flávio Bolsonaro, livrando-o dos rigores de um juiz de primeiro grau, a Segunda Turma terá de matar a jurisprudência do Supremo, que associa o foro especial a delitos cometidos no exercício do mandato. Flávio não é mais deputado estadual. Portanto, acusações relacionadas ao seu mandado na Assembleia Legislativa do Rio descem —ou deveriam descer— para a primeira instância.

Bolsonaro espera muito do Supremo. Além do foro especial para o primogênito, acredita no aval à decisão do STJ que produziu a anulação de provas contra o filho. A Segunda Turma é presidida por Nunes Marques, toga de estimação de Bolsonaro. "Tenho 10% de mim dentro do Supremo", costuma jactar-se o presidente, referindo-se à indicação do ministro.

O relator do caso é Gilmar Mendes, outro magistrado com quem Bolsonaro diz que gosta de conversar. O julgamento ocorre com quase um ano e meio de atraso. Nesse intervalo, a investigação do Ministério Público que encurralou Flávio Bolsonaro foi esquartejada pelo STJ.

O roubo de parte dos salários dos assessores do gabinete de Flávio ganhou as manchetes no final de 2018, quanto as urnas já haviam sido contabilizadas. Depois, descobriu-se que a rachadinha é uma holdind com sede no mandato de Bolsonaro na Câmara Federal e filiais nos gabinetes dos filhos Flávio e Carlos.

Imaginar que esse tema será excluído dos debates é algo tão ilusório quanto acreditar que ninguém vai incomodar Lula com questões sobre a corrupção nos governos do PT. Ou que nenhum adversário esfregará nas pretensões políticas de Sergio Moro a pecha de juiz parcial que o Supremo grudou nele.