PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Congresso volta a tramar a alta do Bolsa Eleição

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

06/12/2021 10h12

Presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco, marcou para esta terça-feira, sessão conjunta do Congresso para a análise de vetos de Bolsonaro. Deputados e senadores se equipam para derrubar alguns vetos. A pauta inclui da necessária distribuição de absorventes íntimos para meninas das escolas públicas à inaceitável elevação do fundo eleitoral que custeará com verbas públicas as eleições de 2022.

Trama-se subir o fundão de R$ 2,1 bilhões para R$ 5,7 bilhões. Isso é o triplo do que foi investido nas eleições de 2018. Para elevar o Bolsa Eleição seria necessário cortar despesas de áreas que já estão no osso, como Saúde e Educação. A falta de nexo é potencializada pela atmosfera de fúnebre vivida pelos brasileiros que passam fome ou que se encontram no olho da rua.

A Lei de Diretrizes Orçamentárias estima que o Orçamento da União para 2022 deve fechar no vermelho. O buraco será de notáveis R$ 170,7 bilhões. Tirar dinheiro de setores estratégicos para engordar as arcas dos partidos num momento em que ainda há dúvidas quanto ao financiamento do novo Bolsa Família de R$ 400 é como cutucar a sociedade com o pé para ver se ela morde. Os parlamentares parecem testar a resistência do saco nacional, sem se dar conta de que ele já está cheio.