PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Bolsonaro embrulha o auxílio de R$ 400 para presente numa medida provisória

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

07/12/2021 09h50

Bolsonaro já estava decidido a implantar antes do Natal, na base do vai ou racha, o Auxílio Brasil de R$ 400. Avalia agora que a coisa tem que acontecer, mesmo que rachada. O dinheiro para pagar o benefício vem da PEC dos precatórios, que dá o calote em dívidas judiciais. Mas Câmara e Senado divergem sobre o conteúdo da emenda constitucional e a forma da promulgação. A divergência é mais uma oportunidade que Bolsonaro aproveita. Ele optou por embrulhar os R$ 400 para presente numa medida provisória.

Desse modo, o dinheiro chegará às casas de 14,6 milhões de famílias inscritas no Bolsa Família como uma generosidade do presidente, não como bondade do centrão ou uma concessão de parlamentares da oposição. O Congresso terá de construir um entendimento sobre a emenda do calote. Do contrário, o programa não ficaria em pé no ano de 2022. Mas essa é outra história. Para Bolsonaro, o mais importante é que sua assinatura apareça solitária no primeiro cheque.

Por trás da divergência que eletrifica o Congresso está o desejo do presidente da Câmara, Arthur Lira, de aplicar parte dos R$ 106 bilhões obtidos com o calote dos precatórios no financiamento de emendas do orçamento secreto, agora semitransparente, e no aumento do fundo eleitoral. O Senado carimbou a verba, direcionando-a integralmente para o novo Bolsa Família e despesas com Saúde, assistência social e aposentadorias.

As digitais do Planalto estão impressas na confusão. Bolsonaro também gostaria de deixar o dinheiro do calote livre para bancar o seu populismo eleitoral e as emendas que compram apoio ao governo no Congresso. Mas o presidente se finge de morto. Afinal, Lira e o centrão recebem para fazer o serviço sujo.