PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Departamento de blindagem tornou-se a repartição mais eficiente do governo

                                DIVULGAÇÃO
Imagem: DIVULGAÇÃO
Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

08/12/2021 12h41

À espera de ser inocentado no inquérito que apura o aparelhamento político da Polícia Federal, Bolsonaro tomou gosto pelo uso da máquina do Estado. Todos os dias surgem novas evidências de que o presidente acha que o governo é dele e não abre mão de usá-lo como bem entender. A penúltima evidência de que o presidente usa e abusa da estrutura do Estado é o esquema montado no Ministério da Justiça para retardar a extradição de Allan dos Santos, blogueiro de estimação de Bolsonaro e dos seus filhos.

Notório difusor de notícias falsas, Allan dos Santos tornou-se um foragido nos Estados Unidos depois que o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, emitiu contra ele, em outubro, uma ordem de extradição. A determinação judicial foi tocada no Ministério da Justiça na velocidade de uma tartaruga com Covid. Pessoas que esboçaram a intenção de fazer o processo andar foram admoestadas ou afastadas.

Chegou-se, então, a uma situação inédita. Sob supervisão do Supremo, a Polícia Federal, subordinada ao Ministério da Justiça, pôs-se a investigar um assessor do titular da pasta, Anderson Torres. Chama-se Vicente Santini. Comanda a Secretaria de Justiça. É acusado de criar embaraços à repartição incumbida de tocar a ordem de extradição junto com o Itamaraty, o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Internacional (DRCI).

O ministro Torres e o assessor Santini têm algo em comum. Ambos são amigos dos filhos do presidente. E devotam a Bolsonaro uma fidelidade canina.

Se fosse isolado, o episódio envolvendo Allan dos Santos já seria gravíssimo. Mas o intervencionismo de Bolsonaro deixou de ser um fenômeno isolado. Hoje, o órgãos mais eficiente do governo é o Departamento de Blindagem. Não consta de nenhum organograma oficial, mas tem ramificações em todos os recantos da administração federal.

Para proteger Bolsonaro, os filhos e os amigos, ostaff da blindagem da age nos gabinetes dos ministros da Justiça e da Economia, na Polícia Federal, na Receita Federal, no Coaf, no DRCI e onde mais for necessário. Tudo isso com a cumplicidade da Procuradoria-Geral da República e a complacência do Supremo.