Topo

Centrão agora mede forças com Carlos Bolsonaro

Imagem: Reprodução/Instagram Carlos Bolsonaro
exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Colunista do UOL

23/01/2022 04h53

Surgiram as primeiras trombadas entre os chefões do centrão e Bolsonaro na definição dos rumos da campanha à reeleição. Envolvem sobretudo pandemia, marquetagem e família.

O presidente se recusa a abandonar a retórica antivacina. E não parece entusiasmado com a perspectiva de incluir na sua estratégia os truques de um especialista em marketing eleitoral. O centrão enxerga Carlos Bolsonaro por trás do biombo. Tenta puxar-lhe o tapete.

Antagonismos fazem parte da rotina de qualquer comitê de campanha. Mas duas coisas distinguem a encrenca que se arma ao redor de Bolsonaro: a irascibilidade do candidato e a institucionalização da prole presidencial.

O primogênito Flávio Bolsonaro assumiu ares de coordenador de um conciliábulo integrado por Valdemar Costa Neto (PL) e Ciro Nogueira (PP). Carlos, o filho Zero Dois, corre por fora. Percorre as redes sociais à procura de encrencas que influem no metabolismo do pai, atiçando-lhe os maus bofes.

Dono do PL, o partido que filiou Bolsonaro, Valdemar foi incumbido de recrutar um marqueteiro. Chefe da Casa Civil, Ciro endossa a ideia de profissionalizar a campanha. Flávio não se opõe. Mas o irmão Carlos torce o nariz, numa aversão que é compartilhada pelo pai.

Bolsonaro atribui o triunfo de 2018 ao trabalho realizado na internet por Carluxo, como Carlos é chamado na intimidade. É improvável que o presidente destitua o filho do comando de sua máquina eletrônica de moer reputações.

O "trabalho" da eleição passada, tão enaltecido por Bolsonaro, consistia basicamente em construir o pedestal do "mito" a partir do emporcalhamento da imagem de rivais e da demolição do chamado "sistema". Ironicamente, isso incluía uma artilharia cenográfica contra o centrão.

Hoje, centrão dedica-se a transformar Bolsonaro num candidato sistêmico. O grupo assumiu o trono ao filiar o presidente ao PL. Coleciona cabeças em sua sala de troféus. Expurgou um general do quarto andar do Planalto para assumir a Casa Civil. Levou o Posto Ipiranga à breca ao controlar o Orçamento federal.

O centrão mede forças com Carluxo. Primeiro vereador federal da história, o personagem também faz coleção de cabeças. Abateu, por exemplo, dois ministros palacianos: Gustavo Bebianno, o advogado que morreu de desgosto; e Carlos Alberto dos Santos Cruz, o general que se integrou à caravana de Sergio Moro.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Centrão agora mede forças com Carlos Bolsonaro - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


Josias de Souza