PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Bolsonaro ignora apelo do centrão para interromper sua cruzada negacionista

Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
Imagem: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

27/01/2022 09h57

Preocupados com os rumos da campanha presidencial de Bolsonaro, os chefões do centrão intensificaram a pressão interna para que o presidente abandone a sua cruzada antissanitária. Pesquisa encomendada pelo PL, partido de Bolsonaro, acendeu uma luz vermelha no painel de controle do centrão. Os dados confirmaram a oxidação da imagem de Bolsonaro. O presidente ignora, por ora, os apelos do centrão. Não se mostra disposto a mudar o seu comportamento.

A investida dos aliados de Bolsonaro ocorre num instante em que a variante ômicron chega à crista de uma nova onda de infecções no Brasil. Coincide também com uma ordem emitida pela ministra Rosa Weber, do Supremo, para que o ministro Marcelo Queiroga (Saúde), explique a nota técnica em que um de seus secretários, Hélio Angotti, ignorou estudo científico para reiterar a posição do governo pró-cloroquina e anti-vacina.

Nas palavras de um líder do centrão, a pasta da Saúde "opera no mundo da Lua." A metáfora não é boa, pois o governo está infestado de pessoas que duvidam que o homem tenha pisado o solo lunar. A gestão Queiroga se parece mais com uma orgia anticientífica para a qual os especialistas não se credenciaram adequadamente.

Quarto ministro da Pandemia, Queiroga se comporta como um centauro teórico. Mantém a cabeça lá em cima, na formação de cardiologista e nas mais altas normas éticas da medicina, e o corpo bem lá embaixo, na defesa da cloroquina, na protelação da vacinação de jovens e crianças, no adiamento da testagem, no esconde-esconde das doses encalhadas num depósito —enfim, Queiroga arrasta a bainha do seu jaleco de ex-médico no chão enlameado do negacionismo de Bolsonaro.

O centrão não está preocupado com a ciência, mas com as urnas. Os mandachuvas do grupo convenceram-se de que a teimosia de Bolsonaro tira votos. Avaliam que, para permanecer no salão principal da sucessão de 2022, Bolsonaro precisa limpar os pés. Mas receiam que o presidente deixe o melado escorrer.