PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Manobra de Doria aprofundou o abismo tucano

só para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

01/04/2022 09h21

A manobra executada por João Doria para constranger os tucanos que tramam substituir a sua candidatura presidencial pela de Eduardo Leite aprofundou o abismo em que se encontra o PSDB. Doria arrancou uma carta do presidente do partido, Bruno Araújo, reafirmando o resultado das prévias tucanas. Mas o vaivém do candidato impulsionou a dissidência que trama substituir Doria por Leite, derrotado nas primárias. Deseja-se colocar em pé a chapa Eduardo Leite-Simone Tebet, não necessariamente nessa ordem. O arranjo transita no eixo PSDB-MDB-União Brasil.

"Agora estou tranquilo", disse João Doria depois de intranquilizar rivais e aliados tucanos com a ameaça de permanecer no Palácio dos Bandeirantes, renunciando à candidatura ao Planalto. Após desistir da desistência, Doria tentou justificar a manobra. Alegou que sentiu "a necessidade de ter um apoio explícito" do PSDB.

Em público, Doria distribuiu sorrisos amarelos e disse ter enxergado na carta de Bruno Araújo o apoio "incontestável" de que precisava para trocar o governo paulista pelo palanque. Longe dos refletores, o governador continuou reclamando de correligionários como Aécio Neves e Tasso Jereissati. Avalia que deu uma lição nos traidores. Engano.

Antes de escrever a carta de apoio a Doria, Bruno Araújo disparou alguns telefonemas. Conversou, por exemplo, com Leite e Aécio. O texto serviu para tirar Doria do Bandeirantes, no pressuposto de que a conjuntura se encarregará de expurgá-lo da corrida ao Planalto. Eduardo Leite, o cavalo de Tróia dos tucanos, continua na pista. O problema é que, assim como Doria, o cavalo de Tróia do tucanato galopa dentro da margem de erro das pesquisas. Dispõe, por ora, de 1%.