PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Petrobras já rendeu 3 cabeças para decoração da sala de troféus do capitão

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

11/05/2022 09h25

Bolsonaro terá de reservar uma parede da sua sala de troféus exclusivamente para os abatidos da Petrobras. Já estavam na coleção do capitão duas cabeças de ex-presidentes da estatal: a do economista Roberto Castello Branco e a do general Joaquim Silva e Luna. Menos de 48 horas depois do anúncio de um novo reajuste de 8,87% no preço do óleo diesel, foi apartada do pescoço a cabeça do almirante Bento Albuquerque, que deixa o comando do ministério de Minas e Energia. A queda do ministro, que será substituído por Adolfo Sachsida, assessor de Paulo Guedes, é parte de uma encenação inútil e enfadonha.

É inútil porque nada acontece na Petrobras, exceto o esforço de Bolsonaro para passar a impressão de que muito está acontecendo. O teatro é enfadonho porque todos já perceberam que o problema do governo não está nos auxiliares que são fritados, mas no dono da frigideira. Bolsonaro chamou de "estupro" na semana passada o lucro de R$ 44,5 bilhões que a Petrobras teve no primeiro trimestre de 2022. Insinuou que o agora ex-ministro e o recém-nomeado presidente da estatal, José Mauro Coelho, seriam os estupradores.

"Vocês não podem, ministro Bento Albuquerque e senhor José Mauro, da Petrobras, não podem aumentar o preço do diesel", disse Bolsonaro, aos berros. "Vocês não podem quebrar o Brasil." Quatro dias depois, subiu o preço diesel. Considerando-se que o valor do diesel continua defasado em relação à cotação do óleo no mercado internacional e que está no forno um aumento da gasolina, convém abrir espaço na sala de troféus do Alvorada para as cabeças do novo ministro Sachsida e de José Mauro, o terceiro presidente da Petrobras.

Com a inflação a lhe roer os índices de intenção de votos, Bolsonaro sabe que, a cinco meses da eleição, dispõe de dois caminhos. Ambos difíceis. Ou subsidia com verba do Tesouro os preços de combustíveis fósseis ou usa os dividendos que o governo recebe da Petrobras para compor um fundo de compensação dos reajustes. Mas o candidato prefere um terceiro caminho, que lhe parece eleitoralmente mais fácil: a trilha da enganação.

Veja mais análises de Josias de Souza no UOL News: