PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bolsonaro agora cogita aliar-se a outro ex-presidiário: José Roberto Arruda

só para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

07/07/2022 11h44

José Roberto Arruda, o ex-governador preso no escândalo do mensalão do falecido DEM de Brasilia, está de volta. Lavada em maio pelo ministro terrivelmente evangélico André Mendonça no Supremo Tribunal Federal, a ficha suja de Arruda foi enxaguada nesta quarta-feira pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins. Com os direitos políticos restabelecidos, Arruda se equipa para disputar novamente o governo do Distrito Federal pelo PL, o partido de Bolsonaro. Ele negocia o apoio do presidente da República.

Insatisfeito com a aliança que mantém com o atual governador da Capital, Ibaneis Rocha, candidato à reeleição, Bolsonaro flerta a sério com a ideia de subir no palanque de Arruda. Confirmando-se a aliança, Bolsonaro juntará sob o seu guarda-chuva dois ex-presidiários.

Além de Arruda, Valdemar Costa Neto, que puxou cadeia no mensalão do PT. Valdemar é dono do PL, sócio remido do centrão e membro honorário do comitê da reeleição. É um dos cardeais que aconselharam Bolsonaro a parar de falar de corrupção, concentrando-se no Auxílio Brasil e outras benesses.

André Mendonça anulou a sentença originária do mensalão do DEM. Mandou o caso da justiça federal para a justiça eleitoral, para recomeçar tudo do zero. Presenteou a prescrição dos crimes um político que, filmado recebendo propina, disse que o dinheiro seria usado na compra de panetones para os pobres.

Antes de vestir toga no Supremo, Mendonça foi colega de Flávia Arruda, mulher do reabilitado, no ministério de Bolsonaro. O ministro Humberto Martins, do STJ, completou o processo de ressurreição de Arruda, anulando duas condenações remanescentes por improbidade administrativa.

Na era da restauração da imoralidade não há mais corruptos na política. Hoje, o único culpado é Noé, que não proibiu a entrada do casal de ratos na sua famosa Arca.