PUBLICIDADE
Topo

Josmar Jozino

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Porto de Salvador é o segundo do país em remessas de cocaína para a Europa

Agentes apreenderam mais 915 kg de cocaína em agosto no porto de Salvador - Divulgação
Agentes apreenderam mais 915 kg de cocaína em agosto no porto de Salvador Imagem: Divulgação
Josmar Jozino

Sobre o Autor - Josmar Jozino é jornalista desde 1985. Autor de quatro livros, sendo três sobre crime organizado entre eles, "Cobras e Lagartos", obra referência sobre a facção criminosa PCC que recebeu menção honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog em 2005

Colunista do UOL

06/04/2021 04h00

Uma carga de minério com destino à Antuérpia, na Bélgica, escondia 475 kg de cocaína, acondicionados em sacolas dentro de um contêiner no porto de Salvador, na Bahia. A droga foi apreendida em outubro de 2020 por policiais federais e técnicos da Receita Federal.

Dois meses antes, no mesmo porto, os agentes apreenderam mais 915 kg de cocaína. Dessa vez o entorpecente estava camuflado em uma carga de fumo. A droga, avaliada em R$ 174 milhões, seguiria em um navio para Roterdã, na Holanda.

Em abril do ano passado, outro navio rumo a Roterdã deveria levar mais 1,1 tonelada de cocaína para a Europa, via porto de Salvador. A droga foi descoberta em meio a uma carga de mangas. Os narcotraficantes sofreram prejuízo de R$ 201 milhões.

As apreensões de cocaína realizadas em 2020 no porto de Salvador colocam a capital baiana como a segunda rota marítima mais procurada no país pelos traficantes internacionais para remessas mensais de toneladas de cocaína aos portos da Europa, ficando atrás apenas de Santos, na Baixada Santista.

A constatação foi feita pela Polícia Federal e Receita Federal com base nos números das apreensões do entorpecente registradas no ano passado nos 14 principais portos brasileiros.

Pela primeira vez o porto de Salvador ocupa a segunda posição no ranking de apreensões de cocaína, ultrapassando o de Paranaguá, no Paraná, que até então sempre ocupou essa colocação.

Agentes da PF e da Receita Federal apreenderam 7,49 toneladas de cocaína no porto da capital baiana, em 2020. No mesmo período foram apreendidas 7,40 toneladas no porto paranaense.

O porto de Santos, o maior da América Latina, continua liderando o ranking. Os agentes federais encontraram no ano passado 20,8 toneladas da droga escondidas em cargas lícitas.

Segundo o delegado da Polícia Federal Elvis Aparecido Secco, coordenador-geral de Polícia de Repressão a Drogas e Facções Criminosas, os narcotraficantes estão mudando a rota. "Assim como mudam a rota terrestre, os traficantes também mudam a rota marítima. Eles trocam a carga. Alguns portos têm minério, como o do Pará. Outros são diversificados, como Santos, Paranaguá e Salvador, que têm bastante fruta e outros insumos ".

Elvis Secco ressaltou que o importante é identificar os donos da droga e os núcleos financeiros dos narcotraficantes: "O essencial é a descapitalização patrimonial. Se a gente ficar só perseguindo contêiner pelo país, eles mudam a rota", acrescentou.

O delegado disse ainda que a PF e a Receita estão instituindo o projeto "Porto Federal" que é uma ação conjunta das duas instituições para ampliar os trabalhos de inteligência nos portos brasileiros.

A facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), é apontada como a maior exportadora de drogas para a Europa. Paranaguá e Santos sempre foram importantes redutos da organização. A suspeita é a de que os narcotraficantes do grupo criminoso estão migrando a rota para Salvador.