PUBLICIDADE
Topo

Juliana Dal Piva

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Assessor de deputada pede R$ 95,4 mil para motociata de Bolsonaro no PR

 O presidente da república, Jair Bolsonaro, durante motociata com apoiadores - MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO
O presidente da república, Jair Bolsonaro, durante motociata com apoiadores Imagem: MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO
Juliana Dal Piva

Juliana Dal Piva é formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e possui mestrado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas. Trabalhou nos jornais O Dia, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo e revista Época. Obteve oito premiações de jornalismo. Entre elas, o Prêmio Líbero Badaró de jornalismo impresso em 2014 e também foi menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. Em 2019, recebeu ainda o Prêmio Relatoría para la Libertad de Expresión (RELE) da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, pelo trabalho "Em 28 anos, clã Bolsonaro nomeou 102 pessoas com laços familiares".

Colunista do UOL

21/09/2021 14h15

Marcelo Vinicius Collere, chefe de gabinete da deputada federal Aline Sleutjes (PSL-PR), compartilhou um orçamento de R$ 95,4 mil para pagar a contratação de uma empresa que deveria transportar e instalar grades metálicas de segurança de uma motociata do presidente Jair Bolsonaro no Paraná. A planilha foi enviada para um grupo de WhatsApp que está organizando o evento.

Além disso, Collere compartilhou também áudios pedindo ajuda para obter a verba que iria custear o serviço. A motociata está prevista para acontecer no próximo sábado (25), em Ponta Grossa, no Paraná.

A coluna obteve cópias desse orçamento. Segundo os metadados do arquivo, ele foi produzido na manhã do dia 15 de setembro às 11h28. Marcelo, posteriormente, enviou ao grupo a proposta de orçamento feita pela empresa Frask Estruturas Metálicas.

No documento, consta que a locação e montagem de 3 mil grades metálicas de isolamento sai por R$ 51 mil. Além disso, a contratação de 20 funcionários para a descarga e distribuição das grades, foi prevista no valor de R$ 3,6 mil, e o transporte de ida e volta das grades de São Paulo a Ponta Grossa tinha mais um total de R$ 40,8 mil.

O orçamento foi endereçado a Marcelo, mas em nome da Associação Motociata Paraná. O pagamento deveria ser à vista e efetuado na confirmação do pedido. A empresa não respondeu à coluna se o negócio foi fechado.

Orçamento para motociata - Reprodução - Reprodução
Orçamento para motociata de Bolsonaro no Paraná
Imagem: Reprodução

O assessor enviou o documento em um grupo de WhatsApp de organizadores da motociata e pediu ajuda para conseguir o dinheiro. A coluna apurou que Marcelo Collere justificou junto aos colegas que as grades eram parte de um pedido do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do presidente.

O GSI informou à coluna, por nota, que enviou "um destacamento precursor com a finalidade de promover os contatos preliminares com os organizadores do evento e examinar as condições de segurança existentes". Ainda segundo a nota, "nessa ocasião, foram informados os requisitos para a participação da autoridade, entre esses as necessidades mínimas de segurança, o que implica, também, na disponibilização de áreas controladas por meio de gradis". No entanto, o GSI disse que não participou ou orientou a arrecadação de fundos para os organizadores.

Segundo um cronograma do evento obtido pela coluna, Bolsonaro chegará em Ponta Grossa, no interior do Paraná, na sexta-feira (24) e a motociata será no dia seguinte em uma cidade próxima chamada Piraí do Sul. No cronograma, a deputada é apresentada como "anfitriã" do evento que receberá o presidente e deve contar com o governador do Paraná, Ratinho Júnior.

O salário de Marcelo como chefe de gabinete da deputada na Câmara é de R$ 15,7 mil. A parlamentar, que é natural do Paraná, é investigada pelo STF junto com Marcelo por suposta prática de rachadinha no gabinete dela.

Mensagens

Depois de obter o orçamento de R$ 95,4 mil, Marcelo enviou mensagens de áudio ao grupo organizador do evento. "Vou precisar de ajuda para chorar para o pessoal aí, comércio, do agro, de todo canto que a gente conseguir, além do valor que a gente tem que arrecadar de comunicação. Tem que correr atrás disso aí, já to fazendo uns contatos aqui, mas olha dolorido", disse Marcelo, em um dos áudios enviados a um grupo no WhatsApp com organizadores da motociata.

Em seguida, ele reforçou a necessidade do valor para o evento. "Pessoal, colocando aqui só pra vocês entenderem o tamanho do problema que tem. Isso aqui inviabiliza toda a motociata se não tiver. Olha o valor que é o gradil, tantos quilômetros. E outra, não tem aqui essa quantidade, não tem. Então, tem que vir de São Paulo mesmo, tem que fechar entre hoje e amanhã. Olha o tamanho do negócio, o problema que é. Não é fácil", acrescentou Marcelo.

De acordo com o jornalista Guilherme Amado, do portal Metrópoles, Marcelo era o dono do site "Motociata PR", criado para a divulgação e credenciamento dos participantes do ato bolsonarista, que tem o apoio de 40 motoclubes da região. Marcelo coordena também uma lista de e-mails, três redes sociais e grupos no Telegram e WhatsApp para a organização da motociata. Esse endereço digital, porém, saiu do ar após a divulgação e um novo foi colocado no ar. Mas a coluna resgatou posts com o endereço antigo no perfil do instagram criado para divulgar o evento.

A coluna compartilhou o arquivo do orçamento com Marcelo, mas ele não quis responder aos questionamentos sobre o assunto. "Infelizmente não tenho como prestar esclarecimentos sobre supostas mensagens de terceiros e de cunho privado, que a senhora afirma estarem contidas em um grupo de WhatsApp", escreveu ele à coluna.

Já a deputada Aline Sleutjes disse que seu chefe de gabinete não está organizando a motociata. "Não é meu chefe de gabinete que está organizando a motociata. É a Associação Motociata Paraná. Ele pode estar ajudando a associação quem sabe (sic)", escreveu à coluna.

Questionada se sabia da atuação de seu chefe de gabinete e dos valores pedidos por ele para as grades, a deputada não respondeu. Ela também não quis dizer se também está atuando na organização.

"Gostaria de falar sobre alguma coisa útil, positiva e boa sobre a vinda do Presidente? Como tudo o que ele está trazendo? Emprego e renda que está gerando com a vinda dele. A alegria da minha cidade é Piraí do Sul receber um presidente pela primeira vez. Quantos ministros estaremos recebendo no Paraná. A minha força política frente ao governo federal. A força dos eventos. A participação de grandes nomes, empresários, cooperativas, líderes alegres em receber o presidente. Tem algo positivo que vocês queiram falar???? Quem mostrar a verdade para o Brasil uma vez?", escreveu a parlamentar para a coluna.

Íntegra da nota do GSI:

"O Presidente da República recebeu convite para participar de um evento privado com motociclistas, na região das cidades de Piraí do Sul e Ponta Grossa, no estado do Paraná;

A Presidência da República enviou um destacamento precursor com a finalidade de promover os contatos preliminares com os organizadores do evento e examinar as condições de segurança existentes para a realização da viagem presidencial;

Nessa ocasião, foram informados os requisitos para a participação da autoridade, entre esses as necessidades mínimas de segurança, o que implica, também, na disponibilização de áreas controladas por meio de gradis.

Por fim, o GSI não solicitou, nem orientou, a arrecadação de recursos financeiros para a viabilização do evento".

Errata: o texto foi atualizado
O texto original mencionava os "microdados" do arquivo.