PUBLICIDADE
Topo

CNN americana rebaixa Trump a Bolsonaro

Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente Jair Bolsonaro em encontro na Flórida - TOM BRENNER
Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente Jair Bolsonaro em encontro na Flórida Imagem: TOM BRENNER
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na “Folha de S.Paulo”, onde foi redator, repórter, editor da coluna “Painel” e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro “Kosovo, a Guerra dos Covardes” (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas “É Notícia” e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário “What Happened to Brazil”, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada “Brasil em Transe”, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

07/07/2020 14h04

Nada mais ilustrativo da derrocada política de Donald Trump do que ser comparado a Jair Bolsonaro. Normalmente, o presidente brasileiro é retratado na imprensa internacional como uma cópia do colega americano.

Nesta terça, a CNN americana fez diferente. Rebaixou Trump ao patamar de Bolsonaro com uma reportagem intitulada "EUA e Brasil lideram casos de covid-19 no mundo enquanto seus líderes minimizam o vírus".

Em cerca de 2 minutos, o repórter Bill Weir diz que Trump e Bolsonaro "são duas pessoas do mesmo tipo. "Ambos amam o Twitter e, aparentemente, odeiam usar máscaras. Ambos estão sempre em conflito com os maiores médicos de seus países."

A CNN entrevistou um apoiador típico de Bolsonaro que duvida do coronavírus: "Se existe , é fraco". Lembrou que Bolsonaro disse "e daí?" quando indagado sobre o Brasil ter ultrapassado a China em número de mortes.

Basicamente, a reportagem do canal de notícias americano recuperou todas as barbaridades que o brasileiro falou sobre a covid-19, mostra como ele replica Trump ao desprezar a ciência e dinamitar medidas de prevenção, vetando o uso de máscara em escolas e igrejas. O americano se recusa a usar máscara em público e a assinar uma ordem executiva tornando obrigatório o equipamento em todo o país.

Nos últimos meses, Trump procurou se diferenciar de Bolsonaro, dizendo que o Brasil seguiu "caminho diferente" e que vivia situação mais grave do que os Estados Unidos. Isso é falso. Os dois são farinha do mesmo saco.

O recrudescimento da pandemia nos Estados Unidos ocorre por razões semelhantes às do Brasil. Falta uma estratégia nacional de combate à doença. Os dois presidentes deram respostas incompetentes e irresponsáveis do ponto de vista sanitário. São maus exemplos para seus cidadãos, apostando na divisão e politizando até o uso da máscara.

A comparação entre Trump a Bolsonaro não é falsa equivalência. Ela retrata com rigor as tragédias que EUA e Brasil vivem por terem os dois no comando. No ano em que o americano tenta a reeleição de Trump, a associação com o brasileiro tende a causar dano entre eleitores conservadores mais moderados.

Delírio tropical

O paralelo com o Brasil também apareceu na campanha eleitoral de Trump na internet. Em guerra com manifestantes que pedem a derrubada de estátuas de personagens históricos ligados à escravidão, Trump postou nas redes sociais um anúncio no qual prometeu proteger até a estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

Sabemos que, se depender de Bolsonaro, Trump poderia fazer o que quisesse no território nacional. Mas a imprensa americana lembrou que o presidente não tem autoridade para cumprir tal promessa.

O anúncio faz parte da guerra cultural de Trump para tentar se reeleger. Ele recorre a uma falsa religiosidade a fim de demonizar opositores, como se eles quisessem destruir os valores do cristianismo e a "América".

Nesse aspecto, o neofascismo de Trump e Bolsonaro não tem a ver com o cristianismo nem com as melhores tradições da democracia americana. É exatamente o contrário, como explicou Fernando Haddad no "Roda Viva", em entrevista na qual mostrou quão fácil era aquela escolha no segundo turno de 2018.

Freud explica

Pintou mais um livro na praça para dar dor de cabeça a Trump. A sobrinha Mary escreveu uma obra na qual critica o tio, que usaria a arrogância para esconder a insegurança com origens em questões mal resolvidas com o pai, Fred Trump.

A exposição de bastidores familiares em ano de reeleição prejudicará Trump, que luta na Justiça para evitar a publicação do livro "Demais e Nunca Suficiente, Como Minha Família Criou o Homem Mais Perigoso do Mundo".

Eleitora assumida da democrata Hillary Clinton, Mary Trump afirma que a candidatura eleitoral do tio em 2016 foi um jogo para valorizar negócios do grupo empresarial da família, mas acabou numa vitória inesperada. Ela disse que decidiu escrever o livro por acreditar que Trump está destruindo os EUA.