PUBLICIDADE
Topo

Kennedy Alencar

Bruno Dantas, ministro do TCU, viaja de avião sem máscara de Brasília a SP

Bruno Dantas, ministro do TCU, viaja de avião sem máscara entre Brasília e São Paulo - Kennedy Alencar
Bruno Dantas, ministro do TCU, viaja de avião sem máscara entre Brasília e São Paulo Imagem: Kennedy Alencar
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na “Folha de S.Paulo”, onde foi redator, repórter, editor da coluna “Painel” e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro “Kosovo, a Guerra dos Covardes” (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas “É Notícia” e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário “What Happened to Brazil”, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada “Brasil em Transe”, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

06/12/2020 20h53

Bruno Dantas, ministro do Tribunal de Contas da União, deu um mau exemplo neste domingo no voo Gol 1111, que partiu às 17h15 de Brasília rumo a São Paulo. O ministro não usou máscara durante quase todo o percurso.

Dantas viajou no assento 4E, ao lado do colega de TCU José Múcio, na poltrona 4D. Os dois conversaram o tempo todo. Múcio usou máscara o trajeto inteiro.

Dantas entrou na aeronave de máscara preta, mas a tirou assim que o voo começou. Só colocou a proteção quando se levantou para ir ao banheiro, no momento em que o avião começava a descer para aterrissar em São Paulo.

Ao voltar ao assento, tirou a máscara novamente. Pouco antes de pousar, colocou a proteção, mas mexia na máscara com frequência. Ora, o nariz ficava de fora, um clássico do mau uso da proteção. Ora, ele coçava a máscara ou tocava na alça, algo que as autoridades sanitárias desaconselham.

Quando o avião pousou, ele saiu com o rosto coberto.

O Brasil tem mais de 6,5 milhões de casos de covid-19. Morreram quase 180 mil pessoas. Um ministro encarregado de fiscalizar as contas públicas não tem a menor a preocupação em proteger os demais passageiros. É uma autoridade que não se comportou como um cidadão comum.

É o retrato do Brasil sob Bolsonaro.