PUBLICIDADE
Topo

Kennedy Alencar

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Guimarães é cotado para substituir Guedes; efeito Mourão conteve Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro ao lado do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante visita à agência-barco da Caixa na Ilha do Marajó (PA) - Alan Santos/PR
Presidente Jair Bolsonaro ao lado do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante visita à agência-barco da Caixa na Ilha do Marajó (PA) Imagem: Alan Santos/PR
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na ?Folha de S.Paulo?, onde foi redator, repórter, editor da coluna ?Painel? e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro ?Kosovo, a Guerra dos Covardes? (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas ?É Notícia? e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário ?What Happened to Brazil?, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada ?Brasil em Transe?, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

01/04/2021 19h53

Caso decida demitir Paulo Guedes do Ministério da Economia, o presidente Jair Bolsonaro tem um nome em primeiro lugar na lista de cotados para a substituição: Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal.

Com o andar da carruagem no governo, Guimarães soube contemplar interesses de Bolsonaro e tem pontes no Congresso. Seria um ministro que uniria confiança do presidente e apoio político.

A desconfiança já tomou conta de Guedes. Ele acha que Guimarães é a cobra que ele próprio criou e que poderá picá-lo.

Perdeu terreno

Bolsonaro baixou a bola na relação com os militares da ativa depois de um aviso que levou em conta a história recente do Brasil. Se insistisse em humilhar mais Fernando Azevedo e Silva (ex-ministro da Defesa) e os comandantes da Três Forças que decidiram sair dos cargos nesta semana, o presidente poderia reforçar um movimento perigoso contra ele.

A ameaça ao presidente tem nome e sobrenome: Hamilton Mourão. A erosão de apoio militar a Bolsonaro é uma realidade. O gabinete do vice-presidente é local de romaria dos chorumes.

Vaga no Supremo

Com a iminente aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello, o presidente Jair Bolsonaro tem discutido nomes para a segunda indicação que fará para o Supremo Tribunal Federal.

Nesta semana, o primeiro da lista é o advogado-geral da União, André Mendonça, "terrivelmente evangélico" e leal ao presidente.

Depois, vem o presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Humberto Martins, que tem bom trânsito com políticos e arregimentou apoio no entorno do presidente.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, também está no páreo. Mas Bolsonaro acha que seria cobrir um santo e descobrir outro. Não é fácil arrumar um engavetador-geral tão empenhado, como tem dado provas Aras em meio à pandemia.

João Otávio de Noronha, ministro do STJ e amigo dos filhos do presidente, continua lutando pela indicação ao Supremo. Mas está em quarto lugar na lista presidencial.

Sentimento conhecido

Cármen Lúcia justificou perante assessores o pulo que deu do barco da Lava Jato. Ela mudou o voto e endossou a decisão da Segunda Turma do STF que decretou a suspeição do ex-juiz Sergio Moro nos casos que envolvem o ex-presidente Lula.

A ministra se disse "traída" pela bagunça que Moro e Deltan Dallagnol fizeram ao corromper a lei processual penal.

Cabeça de ponte

O novo ministro da Justiça, o delegado federal Anderson Torres, é visto por Bolsonaro como um canal para aumentar a influência do presidente nas polícias Civil e Militares dos Estados. Ex-secretário da Segurança Pública do Distrito Federal, Torres recebeu entusiasmado apoio da bancada da bala, sobretudo do ex-deputado federal Alberto Fraga, amigo de Bolsonaro.

Quem dá mais

O sentimento pró-Bolsonaro nas Polícias Militares tem levado alguns governadores a analisar com mais boa vontade as reivindicações de reajuste salarial da categoria.

Ciúme federal

A influência no governo exercida pelos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), está incomodando alguns filhos de Bolsonaro.

Preço a pagar

Do ponto de vista político-eleitoral, Ciro Gomes (PDT) jogou certo ao endossar um manifesto pró-Democracia com outros postulantes de direita à Presidência da República. É o caminho que restou com a volta de Lula ao jogo.