PUBLICIDADE
Topo

Kennedy Alencar

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Lei para furar fila da vacina sugere acordo sujo de Bolsonaro com Congresso

Arthur Lira (à dir.), Rodrigo Pacheco (centro) e Jair Bolsonaro (à esq.) participam da sessão de abertura do ano legislativo, no Plenário do Congresso Nacional, em Brasília - DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO
Arthur Lira (à dir.), Rodrigo Pacheco (centro) e Jair Bolsonaro (à esq.) participam da sessão de abertura do ano legislativo, no Plenário do Congresso Nacional, em Brasília Imagem: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na ?Folha de S.Paulo?, onde foi redator, repórter, editor da coluna ?Painel? e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro ?Kosovo, a Guerra dos Covardes? (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas ?É Notícia? e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário ?What Happened to Brazil?, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada ?Brasil em Transe?, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

07/04/2021 09h53

O projeto para a iniciativa privada tentar furar a fila da vacinação contra a covid-19 é um crime contra a saúde pública. Também é a cara da elite brasileira e de autoridades que se omitem na pandemia, como o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Neste momento, os grandes laboratórios estão vendendo vacinas apenas para governos. O Brasil tem uma rede pública capaz de ser acionada para imunizar a população. Mas faltam as vacinas, que têm chegado a conta-gotas no país.

Permitir que a iniciativa privada entre na competição com o governo para adquirir imunizantes prejudicará as pessoas dos grupos prioritários e os mais pobres.

A vacinação no Brasil acontece de forma lenta e é frequentemente interrompida devido à falta de vacinas.

O Brasil virou uma ameaça sanitária global porque a situação está fora de controle por culpa do presidente Jair Bolsonaro, de seus ministros da Saúde incompetentes e de autoridades que se omitem na pandemia e se tornaram cúmplices do genocídio em curso no país. Há risco de surgimento de novas variantes que possam ser resistentes às vacinas, o que geraria um efeito global negativo.

O mundo está assustado com o que acontece no Brasil, que superou nesta terça-feira a marca de mais de 4 mil mortes em 24 horas. Bolsonaro comete crimes contra os brasileiros e a humanidade.

E o que faz o Congresso Nacional, que poderia votar o impeachment do genocida ou instalar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar os crimes do presidente e de seu governo na resposta à pandemia?

A Câmara preferiu aprovar o projeto fura-fila na noite desta terça-feira. Tudo indica que esse absurdo será aprovado no Senado presidido por Rodrigo Pacheco (DEM-MG), um dos cúmplices de Bolsonaro.

Lira e Pacheco estão mais interessados em indicar ministros e aliados para cargos públicos do que realmente em fazer algo que possa melhorar o combate à pandemia. Ambos adotaram discursos vazios de união nacional para não agir com lealdade à Constituição.

O Brasil tem recursos para comprar vacinas. Não o fez em número suficiente para ter um programa digno de vacinação devido ao negacionismo científico de Bolsonaro. O presidente adotou uma estratégia irresponsável de imunidade de rebanho, o que é uma atitude negligentemente homicida. Mais gente adoece e morre no Brasil por conta disso.

Estados e prefeitos estão pedindo à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que possam ter autorização para importar emergencialmente vacinas porque seus programas estão sendo interrompidos por falta de imunizantes. Não fosse o governador de São Paulo, João Doria, ter agido com responsabilidade e fechado a compra da Coronavac da China, o país não conseguiria vacinar praticamente ninguém. Logo, faz mais sentido deixar que Estados e municípios entrem na competição por vacinas.

Permitir que empresas entrem nesse jogo no auge da pandemia no Brasil só tem uma explicação: um acordo de Lira e Pacheco com Bolsonaro e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para que o poder público abra mão da compra de vacinas em benefício de empresários que não têm um pingo de responsabilidade social.

Para Bolsonaro, é uma forma de dividir responsabilidades por não ter feito corretamente o seu trabalho. Lira e Pacheco atendem aos interesses de uma elite demófoba e egoísta. E boa parte da imprensa faz cara de paisagem, dando os dois lados de uma história na qual um deles é podre e irresponsável. Há claramente um acordo sujo perto de ser aprovado no Congresso.

Se o Senado confirmar a decisão da Câmara, a batata quente deverá cair mais uma vez no colo do Supremo Tribunal Federal, que, se tiver responsabilidade institucional, não permitirá mais essa monstruosidade do atual governo e de seus cúmplices na Câmara e no Senado.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL