PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leonardo Sakamoto


Homofobia: Policial deveria se chocar com PM corrupto, não com colega gay

Casais foram alvo de comentários preconceituosos nas redes sociais - Reprodução/Instagram
Casais foram alvo de comentários preconceituosos nas redes sociais Imagem: Reprodução/Instagram
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.

Colunista do UOL

15/01/2020 14h09

Imagens de dois PMs beijando pessoas do mesmo sexo durante formatura de novos soldados da Polícia Militar do Distrito Federal, realizada no sábado (11), circularam em grupos de colegas. Neles, ambos foram alvo de comentários homofóbicos. O comportamento é deplorável e preocupante - dos homofóbicos, não dos casais.

Uma pessoa identificada como um coronel afirmou que a corporação foi "irreversivelmente maculada", que a PM do DF se tornou "motivo de chacota no Brasil inteiro", que a "reputação foi destruída".

"Não tenho nada a ver com a sexualidade deles. A porção terminal do intestino é deles e eles fazem o que quiserem. Uma coisa é o que se faz quando se está fardado. Aprendemos sempre que se deve preservar a honra e o pundonor policial militar. Então é isso que foi quebrado ali. Aquela avacalhação, aquela frescura, ali, poderia ter sido evitada. É lamentável", afirmou para delírio de outros policiais.

O Ministério Público do Distrito Federal afirmou que vai apurar se houve prática de homofobia e a Assembleia Legislativa pediu que a polícia investigue os comentários.

Policiais militares deveriam se sentir motivo de chacota, perceber sua imagem como irreversivelmente maculada e a reputação destruída diante de casos de corrupção na corporação, com agentes de segurança cobrando propina da população ou de criminosos. Ou de denúncias de participação de policiais em milícias ou grupos de extermínio.

Em outras palavras, policiais deveriam sentir vergonha se algum de seus colegas deixarem de cumprir a missão para a qual foram treinados e contratados, decepcionando a população. Parecem, contudo, que alguns acreditam que sua roupa deva inspirar algo ao público. Tipo, o que aconteceu com padre, um médico, o Village People.

Criticar um beijo público mostra não apenas uma falta enorme do que fazer, como também um indicativo de comportamento perigoso. Pipocam no Brasil denúncias de policiais que agem de forma relapsa ou violenta quando a vítima é homossexual ou transexual. Se policiais veem anormalidade em uma simples demonstração pública de afeto de colegas, imagine quando tiverem que prenderem alguém que cometeu crime de homofobia?

Não é, portanto, apenas opinião pessoal, mas retrata como policiais percebem e reagem diante do mundo que os cerca. E quem são, para eles, os "homens e mulheres decentes" que merecem sua proteção.

Em uma sociedade historicamente estruturada em torno da homofobia e da violência de gênero, nossa responsabilidade como homens não é apenas evitar que nós mesmos sejamos vetores do sofrimento simbólico, psicológico ou físico. Neste caso, não basta cada um fazer sua parte para que o mundo se torne um lugar melhor. Se você fica em silêncio e não age junto aos outros homens diante de situações que fomentam a violência, sinto lhe informar que tem optado pela saída fácil da delinquência social.

Sim, ao ver um colega relinchando aberrações inconcebíveis na mesa do bar e não questioná-lo por isso, dando uma risadinha de conta de boca; ao ouvir aquele tio misógino defender que "que gay tem que morrer" e ficar em silêncio; ao assistir àquele "humorista" fazer apologia à homofobia e não mudar de canal ou enviar mensagem protestando às autoridades; ou ao se deparar com um amigo compartilhando histórias de violência sexual e sua única reação foi um beicinho de desaprovação, você - em maior ou menor grau - está sendo cúmplice de tudo isso.

Nós, homens, temos a responsabilidade de educarmos uns aos outros, desconstruindo nossa formação machista, explicando o que está errado, impondo limites ao comportamento dos outros quando esses foram violentos, denunciando se necessário for. Não é censurar a liberdade de outras pessoas, pelo contrário. Esses são atos para ajudar a garantir que outras pessoas possam desfrutar da mesma liberdade que nós temos - liberdade que nossos atos e palavras sistematicamente negam a elas.

Leonardo Sakamoto