PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leonardo Sakamoto


Com Enem à deriva, Weintraub arranja tempo para atacar Karnal e Villa

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, insinua que o historiador Marco Antonio Villa precisa se limpar com água sanitária - Reprodução/Twitter
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, insinua que o historiador Marco Antonio Villa precisa se limpar com água sanitária Imagem: Reprodução/Twitter
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.

Colunista do UOL

23/01/2020 17h25

Dois historiadores foram alvos de Abraham Weintraub, na sequência, em sua conta no Twitter, nesta quinta (23).

O ministro da Educação acusou Leandro Karnal de ser chato e petulante por conta de uma declaração do professor da Unicamp no qual afirma que o ministro Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol "são dotados de um certo tenentismo". Weintraub compartilhou uma postagem que diz que a "cara", o "jeito", a "voz", a "postura", o "conteúdo" de Karnal irritam.

E, frente a críticas ao Ministério da Educação, ele chamou Marco Antonio Villa de "boca de esgoto". Dedicou um vídeo inteiro, aliás, para insinuar que Villa tem mau hálito e questionou se a rádio Jovem Pan o recontratou como comentarista por pressão do governador João Doria e do PSDB.

Ele não cita diretamente o nome de Villa, mas nem precisaria. Os vídeos contra o professor aposentado da Universidade Federal de São Carlos foram gravados da Esplanada dos Ministérios em Brasília, ou seja, do local de trabalho de Abraham Weintraub.

Além de gastar tempo atacando críticos do governo, também arranjou tempo para divulgar imagem de sua ficha de apoiador da "Aliança pelo Brasil", o partido que está sendo criado por Jair Bolsonaro após sua saída do PSL. A manutenção do clima de beligerância e os afagos ao chefe através do ataque a seus críticos surte efeito a princípio e ele vai permanecendo, apesar das reclamações de alas do próprio governo.

Enquanto isso, o cabaré está em chamas.

Estudantes que se sentiram prejudicados pelos erros no Enem 2019 estão registrando representações no Ministério Público Federal, que exige revisão geral da correção da prova, auditoria transparente nos processos e suspensão da seleção pelo Sisu - o Sistema de Seleção Unificado - enquanto tudo não for resolvido. As reclamações pipocaram nas redes sociais logo após Weintraub ter dito que este foi "o melhor Enem de todos os tempos" na última sexta.

A Justiça Federal já determinou que o governo revise a correção de alunos que entraram com pedidos.

Já no sábado, o ministro gravou um vídeo no Twitter dizendo que tudo estava sob controle e que o número de afetados era relativamente minúsculo. Mas, na hora da entrevista coletiva com a imprensa, deixou o presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), Alexandre Lopes, respondendo sozinho. Preferiu ir postar um vídeo em que aparece cantando e tocando música com o irmão.

O MEC recebeu mais de 172 mil reclamações sobre a nota, mas disse que encontrou erros em menos de 6 mil.Como resposta às críticas, o ministro tem postado vídeos dizendo que o Sisu está funcionando normalmente.

Mas não é esse sistema que foi posto em xeque, mas o do Exame Nacional do Ensino Médio.

A cada dia que o MEC se nega a atender as demandas do MPF, cresce a chance de judicialização do Enem, com o consequente atraso no calendário das universidades em 2020. Ou, pior, o risco de desmoralização do exame.

O ataque sequencial a dois historiadores, com pontos de vista divergentes, pode não ter sido proposital, mas é bastante paradigmático.

O governo Bolsonaro declarou guerra à educação pública no Brasil em nome de um projeto de poder. O presidente age como se comandasse o "Ministério da Verdade" - apresentado no romance "1984", de George Orwell, com a função de ressignificar os registros históricos e qualquer notícia contrária.

Ele precisa dar outra interpretação ao passado para controlar o presente e, ao mesmo tempo, ressignificar o presente para criar um futuro que possa chamar de seu. Isso passa por castrar a liberdade de ensino conquistada desde a redemocratização, intervindo no sentido da educação pública, atacando outras versões da História e buscando calar narradores da contemporaneidade, como jornalistas, que sejam de seu desagrado.

Nesse contexto, são muitos os que desejam que seja ensinada a data em que foi assinada a Lei Áurea, mas não querem um debate que esclareça por que o 13 de maio de 1888 não garantiu liberdade e autonomia aos negros e negras deste país. Ou que defendem que uma criança aprenda que a Segunda Guerra Mundial começou quando a Alemanha invadiu a Polônia, mas reclamam se professores discutem em sala como um país livre se torna um Estado totalitário.

A disputa pela Educação no Brasil não é apenas uma questão de construir o futuro. Para a extrema direita, é refazer o passado. O problema é que, na sanha para que sua guerra cultural renda frutos e na luta pela sobrevivência, o governo deixa de lado o básico, ou seja, o funcionamento das instituições. Do combate à corrupção à educação.

Leonardo Sakamoto