PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leonardo Sakamoto


Noivado falso de Lula e Dino surge em meio a “Jogo dos Tronos” esquerdista

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concede entrevista ao UOL - UOL
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concede entrevista ao UOL Imagem: UOL
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.

Colunista do UOL

28/01/2020 17h41Atualizada em 28/01/2020 20h29

Resumo da notícia

  • Jornal O Globo noticiou supostas conversas para levar Flávio Dino (PCdoB) ao PT
  • Tratativas teriam como foco tornar governador do MA candidato à Presidência
  • Lula veio a público desmentir reportagem, porém boato teve origem no PT
  • Notícia teria como pano de fundo jogo de interesses dos partidos envolvidos

Lula não convidou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), para o PT, pensando nas eleições presidenciais de 2022, ao contrário de informações que circularam na imprensa e nas redes sociais. O próprio ex-presidente desmentiu a informação, através de sua conta de Twitter, nesta terça (28).

"Pelo profundo respeito que eu tenho pelo PC do B, pelo PT, pelo Flávio Dino e pelo Fernando Haddad, jamais convidaria um membro do PC do B para se filiar ao PT", afirmou. A presidente do Partido dos Trabalhadores, a deputada federal Gleisi Hoffmann, endossou a mensagem de Lula. "Jamais faríamos um convite como esse", afirmou ela.

A coluna conversou com pessoas próximas aos personagens envolvidos. Apesar de respeitar Flávio Dino, que vem fazendo oposição a Jair Bolsonaro, o ex-presidente segue vendo o nome de Fernando Haddad como o candidato natural, caso ele próprio continue impedido de concorrer.

De acordo com esses interlocutores, haveria pessoas interessadas, tanto no PT quanto no PC do B, em transmitir a ideia de que Lula estaria querendo importar Flávio Dino para uma cabeça de chapa em 2022.

Jogo dos tronos esquerdista

Um grupo de petistas quer, com pressões como essa, forçar Haddad a concorrer à Prefeitura de São Paulo neste ano - o que, para muitos analistas, seria suicídio político, uma vez que a eleição do ano passado lhe deu projeção nacional. O ex-prefeito já afirmou que não vai e Lula respeita sua decisão - o que foi reafirmado na entrevista que realizamos com ele, pelo UOL, na semana passada.

E haveria uma tentativa de gerar celeuma entre o PT e o PC do B, promovido por alguns comunistas, que desejam aproximar o seu partido do Centrão e do outro polo da oposição, encabeçado pelo PDT e PSB, também segundo as fontes.

Isso não teria a participação do governador. Ele segue o papel que lhe cabe, buscando se cacifar para 2022. Mas haveria gente usando a oportunidade para seus projetos políticos.

Marta e Boulos já foram citados por Lula

Curiosamente, há duas pessoas sobre as quais Lula já expressou o desejo de que fizessem parte do PT, nomes considerados nas sondagens para as eleições municipais de São Paulo deste ano. Uma é Marta Suplicy, atualmente sem partido, que já foi prefeita pela cidade. No ano passado, em entrevista ao UOL, o ex-presidente nos disse que, por ele, ela nem teria saído.

O outro é Guilherme Boulos, coordenador do MTST, que foi candidato à Presidência pelo PSOL.

Ambos têm potencial eleitoral na periferia. Na entrevista que nos concedeu na última semana, Lula afirmou que "existe uma periferia vermelha aqui em São Paulo que o PT pode, tranquilamente, recuperá-la e ter 30% dos votos".

Em uma síntese de um dos ouvidos: "A única pessoa que sabe o que Lula vai querer em 2022 é a conjuntura de 2022".

Leonardo Sakamoto