PUBLICIDADE
Topo

Governo deveria colocar caso leve de Covid da favela em hotel, diz Freixo

Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.

Colunista do UOL

26/03/2020 03h27

Resumo da notícia

  • Marcelo Freixo (PSOL-RJ), em entrevista ao UOL, afirma que, apesar de legítimo, um processo de impeachment, neste momento, dará sobrevida a Bolsonaro
  • Para ele, Bolsonaro mostra que não consegue dialogar com instituições, nem produzir política pública e apela ao negacionismo sobre o Covid-19
  • Afirmou que, como o isolamento social não é possível em favelas, o governo poderia alugar hotéis para garantir a separação dos doentes menos graves
  • Defendeu que a crise seja usada para a esquerda superar divergências e construir um projeto para enfrentar o bolsonarismo, que sobreviverá a Bolsonaro

"A sociedade bater panela e gritar: 'fora, Bolsonaro!' é importante, justo e necessário. Mas o desejo do impeachment, que é correto e compreensível, não poderia ser realizado neste momento. Imagina se a gente para a votação de uma renda mínima ou uma política de recursos para hospitais de campanha para tratar de Bolsonaro e paralisar o país por seis meses?"

A avaliação é do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), em entrevista ao UOL, nesta quarta (25). Na noite anterior, em pronunciamento à nação, o presidente Jair Bolsonaro menosprezou a letalidade do coronavírus e recomendou à população que ignorasse medidas de isolamento social contra a pandemia.

Enquanto ele falava, um forte panelaço foi ouvido em dezenas de cidades do país. De 17 a 25 de março, caçarolas e frigideiras tilintaram todas as noites em sinal de repúdio ao comportamento do presidente frente à crise trazida pelo coronavírus. A prática, imortalizada na exitosa campanha de impeachment de Dilma Rousseff, agora atinge aquele que melhor surfou a onda.

Mas apesar de algumas ações, como um pedido de impedimento do presidente protocolado por três parlamentares do próprio PSOL, a maioria da oposição ainda não hasteou essa bandeira.

"Se você pede o impeachment do Bolsonaro, neste momento, faz o jogo dele. Bolsonaro vai dizer que é a política que está querendo tirar ele de lá e levanta 30% da sociedade para brigar por ele. Tudo que quer e precisa é que deem sobrevida a ele", afirma Marcelo Freixo sobre a estratégia do Congresso Nacional. "Não tenho dúvida que ele vai passar por um processo de impeachment mais tarde, na hora que deve ser."

O deputado apresentou projeto de lei para que o Estado garanta um salário mínimo de renda básica para desempregados e trabalhadores enquanto durar as medidas de isolamento para retardar a pandemia. Defende também taxação de fortunas, grandes heranças e alta renda dos super-ricos para financiar os esforços contra a crise.

Citando que um milhão de pessoas vivem, no Rio, em casas de cômodo único com quatro ou cinco pessoas, em média, Freixo afirma que o coronavírus será especialmente severo em favelas. "Quando você fala 'fica em casa', não é uma operação simples. Para quem tem uma casa confortável, beleza. Quem vai conviver com dificuldades de alimentação e entretenimento, com uma casa sem nenhum conforto, é outro significado."

Lembrando que a favela da Rocinha, por exemplo, é maior que 97% dos municípios brasileiros, ele defende que o poder público alugue os quartos disponíveis em hotéis próximos da comunidade para que doentes com sintomas leves possam ficar em quarentena, sem infectar suas famílias.

Na entrevista, defendeu que a esquerda use a crise para superar divergências, reconectar-se com a população e construir um projeto para enfrentar o bolsonarismo, que sobreviverá a Bolsonaro. Também falou da investigação para descobrir os mandantes da execução de Marielle Franco e Anderson Gomes e sobre a morte do matador Adriano da Nóbrega, além das eleições municipais deste ano - que, talvez, fiquem para o ano que vem. Ou depois... Veja trechos selecionados da conversa.

O presidente Jair Bolsonaro minimizou os efeitos do coronavírus, criticou a ação de governadores no sentido de reduzir as atividades econômicas e aproveitou para atacar a imprensa na noite desta terça (24). Como vocês no Congresso avaliaram esse pronunciamento?

Todo mundo ficou muito chocado. Não que se espera muita coisa do Bolsonaro, mas é possível que uma coisa ruim fique ainda pior. O estímulo para que as pessoas não cumpram as determinações médicas e sanitárias é uma manifestação criminosa do presidente e contraria o que vem sendo recomendado no mundo inteiro. Ele ataca os meios de comunicação, que são tão importantes quanto os profissionais de saúde porque, se estamos conseguindo retardar o número de pessoas contagiadas, isso se dá pelo trabalho intenso dos meios de comunicação.

Bolsonaro tinha um projeto muito arquitetado e elaborado, com uma superestrutura ideológica. Vínculos com lideranças de igrejas, atuação organizada nas redes sociais com ataques aos meios de comunicação e jornalistas, relações profundas com milícias, generais ocupando altos cargos da administração pública, um braço de estrutura de poder vinculado às polícias militares, projetos para armar o setor bolsonarista da sociedade. É um projeto calcado no medo, no ataque à ideia de política e às instituições. Tudo posto em curso.

A pandemia de coronavírus, de alguma maneira, mexe com as relações. O mundo inteiro declara guerra a algo que está matando as pessoas e toma medidas drásticas. A economia vai se movendo em função da saúde e não o contrário - como, obviamente, não pode ser. Quando Bolsonaro se depara com uma crise em que precisa ter instituições, política pública e agir dentro de uma República para que as coisas funcionem, ele não consegue. Então, caminha no sentido do negacionismo. E se afunda, ainda mais, em fanatismo.

Bolsonaro, quando faz o pronunciamento, transfere a responsabilidade da crise econômica que virá, inevitavelmente, para os governadores. Ataca a imprensa para dizer: "não é bem assim o que está acontecendo". E, mais uma vez, faz uma disputa nas redes sociais. Só que, agora, ele não está disputando uma eleição, mas a vida está em jogo porque pessoas podem morrer. Ninguém sabe o que vai acontecer quando essa pandemia chegar a lugares de grande aglomeração, como as favelas.

O presidente da República Jair Bolsonaro - Ueslei Marcelino - Ueslei Marcelino
O presidente da República Jair Bolsonaro
Imagem: Ueslei Marcelino

Como a pandemia vai se comportar em comunidades pobres, como as favelas, extremamente adensadas, com famílias grandes vivendo em um cubículo. Recomendações, como "isole-se dos demais", são impossíveis. O que deveria estar sendo feito para proteger essas pessoas?

A cidade do Rio tem seis milhões de habitantes. Aproximadamente um milhão vive em casas de um único cômodo, numa média de quatro a cinco pessoas. Então, quando você fala "fica em casa", não é uma operação simples. Para quem tem uma casa confortável, beleza, é ótimo. Para quem vai conviver com dificuldades de alimentação e entretenimento, com conflitos familiares e com uma casa sem nenhum conforto, é outro significado. A favela da Rocinha, por exemplo, é maior, em número de habitantes, do que 97% dos municípios brasileiros. A Rocinha já é, hoje, um lugar de grande contágio de tuberculose - coisa que o poder público nunca conseguiu resolver.

O poder público municipal precisa entregar material de higiene, orientar as pessoas, tentar tornar as casas mais arejadas - nem que seja criando janelas. O Estado tem que se endividar e investir na vida das pessoas. No Rio, tem 19 grupos de comunicação em comunidades que devem ser ouvidas. Tem todo um trabalho dessas lideranças em informar as favelas, orientar pessoas, conseguir material higiênico e cesta básica. Mas não é suficiente.

Defendo que sejam realizados testes em massa. Hoje, nem os profissionais de saúde estão conseguindo ter testagem. Tinha que ter testes na Via Ápia, que é a principal entrada da Rocinha junto com um plano emergencial do poder público para tratamento de uma pandemia por lá. Por exemplo, quais são os hotéis perto da Rocinha? Como é difícil pessoas ficarem isoladas nas comunidades, você pode enviá-las para um hotel custeado pelo poder público, mas a um preço mais baixo - porque não está na hora de ninguém ter lucro. Sei que tem determinados empresários brasileiros que têm dificuldade de entender isso.

Separa pessoas que não vão poder ter convivência social e, aí, faz com que esse vírus possa ser retardado um pouco dentro de uma região de grandes aglomerações. Eu estou inventando a roda? Não! Isso está sendo feito em vários lugares do mundo e que não têm a desigualdade que nós temos.

E garantir leitos. O governador de São Paulo, João Dória, está fazendo do Estádio do Pacaembu um grande hospital. Não vou, questionar as intenções, mas acho que tem coisas menos estapafúrdias, menos volumosas e talvez mais eficientes. Por exemplo: o Hospital do Fundão, no Rio de Janeiro, na Ilha do Governador, poderia oferecer de 250 a 300 leitos apenas para o coronavírus. Isso, quando passar a epidemia, fica para a sociedade. O Pacaembu não vai virar hospital para o resto da vida. O Marcílio Dias, hospital da Marinha, que fica no Lins, Zona Norte do Rio, tem condição de oferecer 400 leitos, exclusivamente para coronavírus. Nesses locais, já há gestão hospitalar. Já tem médicos, enfermeiros e outros profissionais.

Outra coisa que falei para o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel: o ventilador mecânico. Porque a gente sabe que um dos sintomas graves, que tem levado pessoas a morte, principalmente idosos ou portadores de doenças crônicas, é a insuficiência respiratória. Então se você tem o ventilador mecânico em maior quantidade na rede privada do que na rede pública, como é o caso no Rio, está na hora de começarmos a discutir uma fila única, tanto do SUS quanto da rede privada. Para ter acesso a quem mais precisa. E eu não estou nem chegando na proposta da Espanha, que estatizou hospitais inteiros. São medidas direcionadas à população de baixa renda, mas não somente, e que são mais eficazes, do que coisas estrondosas que dão manchetes no jornal.

Favela da Rocinha, Rio de Janeiro - FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO - FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO
Favela da Rocinha, Rio de Janeiro
Imagem: FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO

Você apresentou um projeto na Câmara dos Deputados para tentar garantir renda básica por conta da crise. No que ele difere das propostas de Paulo Guedes?

Difere muito. Primeiro, o importante é que a gente consiga dentro do Congresso, agir coletivamente. E a bancada da oposição tem conseguido isso. A gente está propondo a renda básica de um salário mínimo. É claro que tem base de negociação. Conversamos com várias organizações da sociedade civil, que trabalham com a questão da renda e nos sugeriram ideias: R$ 500 por morador e substituir a ideia de um salário por família. Ou R$ 400 por morador, não podendo passar de três. Precisa-se entender que não dá para uma família viver com menos de R$ 1000 durante um ou dois meses. As pesquisas mostram que mais de 70% das famílias não conseguem ficar um mês em casa, por que não tem dinheiro, nem alimento para isso.

As medidas econômicas do governo são piores do que as medidas na área de saúde. Na área da saúde, pelo menos, você tem o [ministro da Saúde, Luiz Henrique] Mandetta, dialogando com profissionais da área e pensando em saúde pública. Na economia, você tem o Paulo Guedes oferecendo R$ 200 por pessoa [o valor subiu para R$ 300], o que é completamente insuficiente. A gente precisa fazer com que se entenda que nós vamos viver uma crise econômica. O Estado vai ter que se endividar. A gente conseguiu votar a situação de calamidade, o que libera, em termos fiscais, o governo para investir.

O Rodrigo Maia (DEM-RJ) tem defendido, e eu, particularmente, acho que é correto, a ideia de um Orçamento de Guerra - um orçamento específico para o enfrentamento do coronavírus.

Você tem 12 milhões de desempregados no Brasil e mais de 35 milhões de pessoas precarizadas. Essas pessoas precisam ser protegidas, precisam ter o direito de ficar em casa, não só o dever. Não vai dar certo se nós tratarmos isso com um caso de polícia, se nós ameaçarmos prender as pessoas. Isso não é funcional nem eficaz.

Propus que o MEI (Microempreendedor Individual), tenha seguro-desemprego. Vamos imaginar que um pedreiro seja casado com uma manicure. Sem obra e sem salão aberto, essas pessoas vão viver de quê? Com dois três filhos dentro de casa, como faz? No mínimo, é nesse período em que eles não vão conseguir ter uma obra ou um salão aberto que devem receber algo. O governo não pensa assim.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro
Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Você concorreu à própria presidência da Câmara dos Deputados. Se estivesse hoje no lugar do presidente Rodrigo Maia, o que manteria e o que faria diferente?

O Rodrigo se tornou uma pessoa muito importante. Ele acerta quando diz que o Congresso não vai parar e vota de forma remota. Está empenhado nesse debate do Orçamento de Guerra e da renda mínima. Reconheço, mesmo tendo muitas divergências. Por exemplo, jamais colocaria em pautar a redução do salário do servidor público - espera-se que o servidor público salve a vida das pessoas e, ao mesmo tempo, discute-se cortar seu salário. O Congresso tinha que ousar e dizer o seguinte: "o país é desigual, nós sabemos disso, é uma hora de sacrifício e quem deve se sacrificar mais é quem pode se sacrificar mais. Então vamos taxar grandes fortunas e heranças, e colocar esses valores na saúde pública". Essa é a primeira discussão que o congresso deveria estar fazendo.

Vamos passar por um momento muito duro da nossa existência. Algumas reflexões precisamos fazer. Na história do mundo, a disputa do capital, a disputa pela riqueza e a disputa pelos mercados nos levaram a muitas guerras, a muitos conflitos e a muitas mortes. Sempre no pós-conflito quem resolve é o Estado. Foi assim em 1929. Foi assim depois da Primeira Guerra. Foi assim depois da Segunda Guerra. É sempre o poder público que precisa ter políticas públicas para salvar vidas. Então está na hora, em momento de calmaria, de a gente repensar o papel do Estado. Não pode ser um papel reduzido para manter uma sociedade tão desigual como essa.

Presidente da República se atrapalha ao recolocar máscara - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Presidente da República se atrapalha ao recolocar máscara
Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Uma parte da bancada do PSOL apresentou um pedido de impeachment de Bolsonaro. Nem todos no PSOL concordam com o pedido neste momento, mas não há uma sucessão de crimes de responsabilidade? Inclusive nas atitudes que colocam em risco a saúde da população?

A gente precisa enfrentar o bolsonarismo como um todo, e, neste momento, aprovar políticas públicas que atendam às pessoas mais pobres. A sociedade bater panela e gritar: "fora, Bolsonaro!" é importante, justo e necessário. Mas o Congresso não pode, neste momento, jogar suas forças para o Bolsonaro. Então, o desejo do impeachment, que é correto e compreensível, não poderia ser realizado neste momento. Imagina se a gente para a votação de uma renda mínima ou uma política de recursos para hospitais de campanha para tratar de Bolsonaro e paralisar o país por seis meses? A vida das pessoas não pode esperar.

O PSOL tem muitas diferenças internas, o que não é nenhuma novidade. Três deputados do PSOL entraram com um pedido de impeachment. Sete deputados foram contrários, neste momento, ao pedido de impeachment. Isso não se dá porque entendemos que o Bolsonaro não comete crime de responsabilidade ou porque o que ele faz está certo. Não é um julgamento sobre Bolsonaro, mas um julgamento sobre o papel que, neste momento, deve ser dedicado a ele. É muito menos uma análise de mérito do impeachment e muito mais uma análise de conjuntura.

O bolsonarismo é mais perigoso que o Bolsonaro. A ideologia olavista faz parte do pensamento bolsonarista. Setores militares e com base na Polícia Militar fazem parte de um projeto de poder bolsonarista. Se, neste momento, você erra politicamente com o Bolsonaro, pode estar alimentando o bolsonarismo. Mesmo que destrua Bolsonaro.

Essa é uma análise que precisa ser feita com muita responsabilidade. Até porque, às vezes, a opinião pública pode te pressionar a não fazer uma leitura mais profunda das coisas. Isso, no entanto, não quer dizer que, em uma semana ou duas, por exemplo, isso não possa mudar. Mas neste momento, se você pede o impeachment do Bolsonaro, faz o jogo dele. Para de debater saúde, para de debater as políticas públicas para atender as pessoas. Cria um problema político. Bolsonaro vai dizer que é a política que está querendo tirar ele de lá e levanta 30% da sociedade para brigar por ele. Tudo que ele quer e precisa, politicamente, neste momento, é que deem sobrevida a ele. E dar sobrevida a ele é dar a ele mais importância do que ele tem, como, por exemplo, com um impeachment. Não estou dizendo, com isso, que ele não merece ser "impichado".

As consequências para a gente, daqui a um ano, podem ser muito piores. Não sei até que ponto, com um impeachment, o bolsonarismo não eleva o [ministro da Justiça] Sergio Moro a um papel mais relevante - o que pode ser um problema ainda maior depois. Isso quer dizer que nós vamos estar impedidos de pedir impeachment do Bolsonaro em qualquer tempo? Não! Mas o Bolsonaro está em decadência. O panelaço que aconteceu - em vários bairros populares, inclusive - é um sinal. O abandono de setores do mercado ao Bolsonaro é um sinal de enfraquecimento do Bolsonaro e do bolsonarismo. No entanto, é preciso derrotar uma ideologia bolsonarista que levou Bolsonaro ao poder. Bolsonaro não é princípio, meio e fim dos problemas da democracia que nós temos.

Não se pode abrir mão da renda mínima. Abrir mão de fazer com que os trabalhadores possam ser isentos das contas de água, luz e gás durante a crise - um projeto que apresentei. A gente tem que enfrentar a possibilidade de corte de salário dos trabalhadores formais. Temos uma agenda de derrota ao Bolsonaro e de vitória do povo. O impeachment de Bolsonaro não vai fazer o povo ganhar. O povo vai morrer, vai ter fome, não vai conseguir pagar as contas. Isso não é substituído pelo impeachment do Bolsonaro, que levaria de seis a oito meses. Nós não temos esse tempo agora. Por mim, Bolsonaro não teria sido eleito. Mas foi. Não tenho dúvida que ele vai passar por um processo de impeachment mais tarde, na hora que deve ser.

Marielle discursa na Câmara Municipal do Rio em 2018 - RENAN OLAZ/AFP - RENAN OLAZ/AFP
Marielle discursa na Câmara Municipal do Rio em 2018
Imagem: RENAN OLAZ/AFP

No último dia 14 de março, completou-se dois anos da execução da Marielle Franco e de Anderson Gomes. E até agora nada de aparecerem os mandantes. Como você avalia isso e o que falta para que o nome dos mandantes apareça?

Já soube da possibilidade de novas prisões relacionadas ao caso no Rio de Janeiro, mas nada que chegue nos mandantes. São sempre prisões envolvendo os executores. Isso é importante que aconteça, evidente, mas é preciso que se chegue aos mandantes. A dificuldade relatada a mim pelos investigadores, tanto no Ministério Público, quanto na Polícia Civil, diz respeito muito a empresas como o Google e o Facebook e de acesso à telemática para comprovação de provas. A sociedade, talvez precisasse saber melhor dessas limitações até para entender que tipo de coisa precisa acontecer.

Esse é um caso, sabemos que eles são muitos. Mas é um caso muito simbólico, muito emblemático. De uma vereadora, brutalmente assassinada, em pleno século 21, no Rio de Janeiro, por um grupo político que não sabemos qual foi. Em um tempo em que a violência política está crescendo no Brasil. Um tempo em que temos a família do presidente da República vinculada a milícias, que também são do Rio de Janeiro.

A tese de que eles foram mortos por crime de ódio, que voltou a circular, se sustenta?

Para mim e para a família da Marielle, essa tese não se sustenta. Acompanho muito de perto essa investigação, quase que diariamente, desde o começo, e isso não tem o menor cabimento. Se essa for alguma versão reassumida por algum investigador, é apenas para encobrir incompetência ou falta de coragem de não ter conseguido chegar aos mandantes. Não tem cabimento você imaginar que um matador profissional [o ex-policial Ronnie Lessa, preso acusado de ser um dos executores], talvez o mais qualificado matador profissional da história do Rio de Janeiro, resolveu, depois de muitos anos, matar por ódio uma pessoa que ele não conhecia. É a história mais estapafúrdia que já ouvi. Eu não tenho dúvida que ele odiava muita gente, inclusive a mim. Mas tenho certeza absoluta que ele não odiava a Marielle por uma razão: ele não a conhecia. Qual o sentido de um matador profissional, por mais psicopata que possa ser, matar alguém que ele não conhecia não por dinheiro, por interesse, por favor, mas por ódio? Essa história não se sustenta, a não ser que você não queira chegar aos mandantes. Daí, isso pode ser uma boa muleta.

Adriano da Nóbrega, aponta como chefe do Escritório do Crime - Reprodução/Polícia Civil - Reprodução/Polícia Civil
Adriano da Nóbrega, aponta como chefe do Escritório do Crime, morto em fevereiro
Imagem: Reprodução/Polícia Civil

No dia 9 de fevereiro, Adriano da Nóbrega, apontado como chefe do Escritório do Crime, foi morto em uma operação para prendê-lo na Bahia. Até agora não saíram os laudos de sua morte, nem o dos telefones que usava. O que uma investigação sobre os negócios e a morte de Adriano podem revelar?

O que a gente chama no rio de Escritório do Crime, é bom explicar, não é um escritório, com sala, onde as pessoas tomam café. É um grupo de matadores muito violentos, contratados por milícias, pelo jogo do bicho, por inúmeros grupos criminosos, para matar. E fizeram isso durante muitos anos, mas nunca foram investigados.

O que mostra também que o assassinato da Marielle levantou um tampão de histórias subterrâneas do Rio que fazem a gente olhar para a cidade de outra maneira. Tivemos acesso a uma rede de esgoto tão profunda, com setores da política, com setores da economia e da sociedade carioca. Muita gente quer fechar esse bueiro, não resolvendo quem queria matar a Marielle.

O faturamento de Adriano era, segundo a polícia, de R$ 3 milhões por mês. Estamos falando de grana, estamos falando de poder. E o Adriano tinha envolvimento direto com senador Flávio Bolsonaro. Sua família estava empregada no gabinete. Ele foi homenageado por Flavio. Foi tratado como herói pelo presidente da República. Tem gente no Escritório do Crime presa por conta da morte da Marielle. As investigações não apontaram nenhuma relação do Adriano com a morte da Marielle. Mas do Escritório do Crime sim, porque não é um grupo único, são grupos de matadores. Investigar o Escritório do Crime é chegar na relação entre crime e polícia política. E isso é importante para a segurança pública de qualquer lugar.

Os governadores do Rio, Wilson Witzel, e de São Paulo, Joao Doria, se distanciaram de Bolsonaro, apesar de terem sido eleitos pela mesma plataforma política. Que caminhos deve seguir a esquerda para que não ocorra simplesmente uma troca de cabeças de uma mesma plataforma de direita no futuro?

A pior coisa que a esquerda pode fazer agora é se fragmentar no debate do impeachment. Acho inadmissível o campo progressista perder a eleição de 2022 para o bolsonarismo. E não estou falando do Bolsonaro. Porque pode ter outra corrente que substitua o Bolsonaro. Se a gente atingir apenas o Bolsonaro, e não a lógica do bolsonarismo, vem um substituto e pode ganhar eleição em 2022 com mais facilidade que ele ganharia.

Por isso, enfrentar o bolsonarismo é uma responsabilidade cotidiana do campo progressista, enfrentar a lógica militarizada, do medo, do extermínio. Não é só o Bolsonaro, tem outros personagens que circulam na República que representam a mesma coisa. Alguns hoje romperam com Bolsonaro, mas não totalmente com sua lógica.

O campo progressista precisa entender que nós precisamos criar relações de afeto, buscar um sentido de sociedade maior, estar juntos neste momento. As ações com relação ao coronavírus têm sido interessantes. Estamos conseguindo, com todo o campo progressista, fazer uma proposta comum. Tem que nascer daí um caldo de cultura que nos gere responsabilidade e, passada essa crise, não vire cada um para o seu quintal. Mas que possamos buscar na figura do Fernando Haddad, do Ciro Gomes, do Flavio Dino - considero o Flavio Dino uma pessoa muito importante nesse processo republicano da nova construção de um campo democrático. As figuras nacionalizadas precisam estar juntas num programa de enfrentamento ao bolsonarismo e não ao Bolsonaro.

Vamos aproveitar que estamos tendo que trabalhar juntos e construirmos um projeto de país baseado no sofrimento desse povo. E vamos estar ao lado do povo e não olhando para o Bolsonaro, para criar uma alternativa de economia, uma alternativa de trabalho, uma alternativa que recupere o emprego, que cuide melhor das pessoas, que pense na saúde enquanto direito à vida. Está todo mundo com medo, com pânico, querendo uma relação de amor maior, com filhos, com os companheiros, com a mãe. É momento para uma reconexão possível e necessária da sociedade. Essa relação de afeto, de cuidado, tem uma maneira da gente sobreviver a essa crise: é um cuidando melhor do outro. Essa relação de cuidado propõe um modelo de sociedade.

Bolsonaro e Doria em evento de formatura da PM-SP - Marcos Corrêa/PR - Marcos Corrêa/PR
Bolsonaro e Doria em evento de formatura da PM-SP
Imagem: Marcos Corrêa/PR

Você deve disputar a Prefeitura do Rio de Janeiro. O que você estaria fazendo diferente do prefeito Marcelo Crivella por conta do coronavirus?

Não sei se vai ter eleição em outubro por conta do coronavírus. É muito difícil calcular agora. Mas não concordo que a eleição seja deslocada para 2022, na forma de uma eleição única. Acho muito ruim. E sei que já tem deputado pensando isso. Uma eleição única é uma eleição muito perigosa, uma eleição em que o poder econômico pode provocar uma devastação completa no poder público.

Isso está sendo discutido dentro do Congresso? Que grupos aventam essa ideia?

Está. Sim. E acho muito perigoso muito ruim. Adiar por conta de uma epidemia, dois meses, três meses, é razoável. Acabamos de ver o adiamento da Olimpíada. Então você pode adiar uma eleição. Mas não a mudança para 2022, isso é outra coisa, vem de outro projeto de poder. São grupos ligados ao centro. E ainda não estão claras que forças políticas vão defender isso mais abertamente, mas elas existem.

O prefeito deveria estar fazendo todo esforço para ampliar a malha da assistência primária, que é assistência que faz a pessoa não precisar ir ao hospital. Ir ao hospital hoje tem risco, se você for ao hospital porque está gripado, pode voltar com coronavírus para casa e contaminar sua família inteira. Ampliar - nem que a prefeitura se endivide para isso. Não é o que a ela está fazendo. O prefeito deveria ter um gabinete de gestão única com o governador. De que maneira a saúde municipal, que tem uma estrutura grande no Rio, pode ajudar a saúde estadual, e fazer um único corpo de ação preventiva. A Prefeitura hoje finge que esse problema não é dela, discutindo se o vírus é federal, estadual ou municipal. Mas o vírus está nas pessoas.

Mas, honestamente, hoje só tenho cabeça para o Congresso, para pensar nas ações concretas aqui, porque a crise que vamos viver, a crise sanitária, crise de saúde pública, pode ter uma dimensão muito trágica. Então não tem nenhum cabimento em pensar eleição neste momento.

Leonardo Sakamoto