PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Leonardo Sakamoto

Bolsonaro distorce preço da picanha em malabarismo para minimizar inflação

Conteúdo exclusivo para assinantes
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), ?Escravidão Contemporânea? (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

12/05/2022 15h46

Bolsonaro voltou a minimizar o custo de vida e a inflação. Desta vez, afirmou que a picanha no Brasil é metade do preço praticado no Canadá. Valendo-se da falta de conhecimento de seus seguidores sobre o que é poder de compra, basicamente converteu tudo para real e comparou valores. O que não faz sentido, pois ignora que o tempo trabalhado lá para poder fazer um churrasco é menor do que aqui.

Em conversa com bolsonaristas na porta do Palácio do Alvorada, nesta quarta (11), repetiu a justificativa quem tem usado para se isentar de responsabilidade ao dizer que preços estão aumentando no mundo inteiro. E usou o exemplo da picanha e dos combustíveis.

Na sequência, seguidores passaram a postar fotos de pacotes de carne nas redes sociais para "provar" o ponto do "mito". O dólar canadense está em cerca de 4 reais.

Em São Paulo, um quilo de picanha pode ser encontrado por 67 reais, na média de três estabelecimentos consultados. Considerando que o salário mínimo no Brasil é de 5,51 reais/hora, uma pessoa precisa trabalhar mais de 12 horas para comprar um quilo se ganha o salário mínimo.

Já em Toronto, o preço de um quilo de top sirloin cap (corte semelhante à picanha) pode ser encontrado por 28,50 dólares canadenses, na média de três estabelecimentos consultados. Considerando que o salário mínimo federal no Canadá é de 15,55 dólares canadenses/hora, uma pessoa precisar trabalhar menos de 2 horas para comprar um quilo se ganha o salário mínimo.

É mais difícil um trabalhador comprar um quilo de carne em São Paulo do que em Toronto. Ainda mais porque Jair Bolsonaro parou de aumentar o salário mínimo, repondo apenas a inflação.

Ou nem isso: reportagem do jornal O Globo trouxe estimativa de que, descontada a inflação, a perda de poder de compra do salário mínimo ao fim de seu governo será de 1,7%.

O ministro da Economia Paulo Guedes culpou a covid-19 (que chegou em 2020) e a guerra na Ucrânia (2022) pela falta de aumento real do salário mínimo do governo de Jair, que começou em... 2019.

Militares não têm o que reclamar quanto ao acesso à picanha

Dados obtidos pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) apontou que, entre fevereiro de 2021 e fevereiro de 2022, as Forças Armadas compraram 372,2 toneladas do corte, considerado nobre e caro.

Em 2020, deputados do PSB já haviam protocolado uma representação na Procuradoria-Geral da República por compra de 714,7 toneladas de picanha pelas Forças Armadas. Desse total, o Exército foi responsável por 569,21 toneladas.

Uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), realizada pela Secretaria de Controle Externo de Aquisições Logísticas e divulgada pela Folha de S.Paulo, em dezembro do ano passado, apontou que o Ministério da Defesa usou 535 mil reais que seriam destinados ao combate à covid-19 na compra de picanha e filé mignon.

Os recursos faziam parte da rubrica orçamentária "21C0 - Enfrentamento da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional decorrente do coronavírus".

Somada a essa festa da fruta com dinheiro público em um contexto de fome crescente, reportagem da Folha de S.Paulo, desta quinta (12), apontou que os militares escaparam do aperto salarial pela qual passou o resto do funcionalismo sob Bolsonaro.

Houve uma queda de 8,4% no gasto do Poder Executivo com servidores civis da ativa de 2018, ano anterior à posse de Bolsonaro, até 2021. Enquanto isso, os militares da ativa custaram 5,7% a mais no período.

Numa crise econômica que transformou carne em produto de luxo, quem não faz parte do povo escolhido de Jair, se vira com o que pode - desde que não seja um dos 11,9 milhões de pessoas se trabalho, segundo o IBGE.

Mas até o pão com ovo está ficando impraticável com a alta do preço do óleo de soja, do pão francês e do gás de cozinha registrado no IPCA de abril. O máximo que a maioria da população vai chegar perto de uma picanha será um McPicanha - que, como o governo, faz propaganda enganosa.