Topo
REPORTAGEM

Mais de 600 mil seguranças privados atuam sem supervisão do poder público

Imagem: iStock
só para assinantes
Leonardo Sakamoto

Colunista do UOL

28/06/2022 20h51

Dos 1.096.398 agentes de segurança privados que trabalham no país, apenas 495.989 atuam sob a supervisão da Polícia Federal, como prevê a lei. Ou seja, 600.409 seguranças privados não estão sob a fiscalização do poder público.

O dado foi divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que lançou, nesta terça (28), o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2022.

Para ter uma ideia do tamanho desse problema, o total de agentes de segurança pública, somando todos os policiais, bombeiros e agentes penitenciários no país, é de 772.202, ou seja, 28% maior que o exército de vigilantes sem supervisão do Estado.

Cabe, hoje, exclusivamente à Polícia Federal credenciar e habilitar a formação de seguranças privados, emitir a carteira nacional da profissão e o certificado de regularidade de empresas de segurança, entre outros itens.

O Congresso, sob Jair Bolsonaro, está discutindo propostas que transferem parte dessa competência às Polícias Militares nos estados. O que poderia gerar conflitos de interesses, uma vez que muitos PMs são sócios de empresas de segurança privada.

Para além da proliferação de milícias urbanas e rurais, agindo ao arrepio da lei para quem pagar mais, fantasiadas de empresas de segurança, o risco de 600 mil pessoas que não são devidamente fiscalizadas é que a qualidade da formação e do serviço cai.

O que pode ser perigoso para quem contrata e para a sociedade, ainda mais porque de trata de uma categoria que tende a andar armada.

Renato Sérgio de Lima, presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, explicou à coluna que empresas que não estão sob supervisão da Polícia Federal tendem a oferecer um serviço com preço menor, mas de pior qualidade, com profissionais precarizados e sem nenhum tipo de regulamentação.

Já as empresas que seguem a lei são oneradas com fiscalização formal, respeitando regras trabalhistas, com um custo maior e menos competitividade.

"A não-fiscalização significa que os agentes de segurança privada podem ter suas de condições de trabalho precarizadas por empresas que não respeitam a legislação. Com isso, serviço prestado vai ser de péssima qualidade", afirma.

Lima ressalta que contratar essas empresas e profissionais por oferecerem um preço mais barato pode sair caro. Cita como exemplo casos de violência contra clientes cometido por seguranças privados irregulares em supermercados, inclusive com mortes.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de 600 mil seguranças privados atuam sem supervisão do poder público - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


Leonardo Sakamoto