PUBLICIDADE
Topo

Marco Antonio Villa

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Paulo Guedes: um falastrão no Ministério da Economia

Conteúdo exclusivo para assinantes
Marco Antonio Villa

Nasceu em 1955 na cidade de São José do Rio Preto, interior de São Paulo. Em Santo André passou parte da infância e da adolescência. Completou o Ensino Médio em São Paulo. Iniciou o curso de Economia mas acabou se formando em História na Universidade de São Paulo, onde também obteve os títulos de Mestre em Sociologia e Doutor em História. Foi durante trinta anos professor universitário. Atualmente possui um programa diário em seu canal YouTube que conta com mais de 105 MILHÕES de visualizações e mais de 622 MIL de seguidores. Suas entrevistas exclusivas no Canal YouTube Marco Antonio Villa - Blog do Villa chegam a alcançar quase 1 milhão de visualizações. É também comentarista do Jornal da Cultura e colunista da IstoÉ. Presente nas mídias sociais com mais de 2 milhões de seguidores além da presença em seu site www.cursosdovilla.com.br e o blog chamado "Blog do Villa". Com sua linguagem transversal, abrange não só o mundo acadêmico mas também um público heterogêneo e com interesse por história e política. Hoje é considerado um dos maiores conhecedores da História Política do nosso país com seus mais de 30 livros publicados, alguns dos quais tornaram- se best-sellers e referências bibliográficas para o estudo da História do Brasil nos séculos XIX,XX e XXI. Muitos de seus livros são citados em teses universitárias no Brasil, Europa e Estados Unidos. Autor de mais de 30 livros. Está prestes a lançar livro História Geral do Brasil.

Colunista do UOL

07/10/2021 12h18Atualizada em 07/10/2021 14h12

Paulo Guedes representa fielmente a elite rastaquera. Tem um profundo desprezo pelo Brasil. Desconhece as grandes mazelas nacionais. E mais, sequer viajou pelo país para conhecer in loco os nossos problemas e as nossas potencialidades. Do pensamento econômico brasileiro manifesta um enorme desinteresse. Reza pela cartilha do que aprendeu há mais de três décadas na Universidade de Chicago. Nunca se destacou no debate sobre os rumos econômicos do Brasil. Basta consultar os arquivos e encontraremos apenas o silêncio, que é muito significativo da inexpressividade entre os nossos economistas. Livros publicados? Quais?

Até assumir o Ministério da Economia, Paulo Guedes era um desconhecido. Sabia-se apenas que era um especulador no mercado financeiro. Acabou caindo nas graças de Luciano Huck em 2017, quando foi aventada a possibilidade da sua candidatura à Presidência da República. A aventura teve curta duração. Logo Guedes encontrou uma alternativa política: Jair Bolsonaro. Só nesta mudança de ares já é possível ver como o economista estava em busca dos holofotes e, preferencialmente, do poder. A distância política entre Huck e Bolsonaro é abissal.

Foi apresentado ao "mercado" pelo então candidato como símbolo maior da sua campanha. Era o "posto Ipiranga", uma espécie de solucionador — quase um mágico — de qualquer dos problemas econômicos, o oráculo do miliciano de Rio das Pedras. O "mercado" - confesso que não sei quem é o "mercado", qual a idade, se é alto ou baixo, torcedor de qual time, mas parece uma espécie de ente supremo - ficou satisfeito. Nem queria saber das opiniões políticas de Bolsonaro, desdenhava das falas homofóbicas, racistas e reacionárias. O que importava para o "mercado" era Paulo Guedes, que foi alçado a gênio da raça, apesar de ninguém conseguir citar apenas um livro que tenha escrito.

Lembrava o célebre Pacheco de Eça de Queiroz aquele que "não deu ao nosso país nem uma obra, nem uma fundação, nem um livro, nem uma ideia. Pacheco era entre nós superior e ilustre unicamente porque tinha um imenso talento. (...) esse talento, que duas gerações tão soberbamente aclamaram, nunca deu da sua força, uma manifestação positiva, expressa, visível! O talento imenso de Pacheco ficou sempre calado, recolhido nas profundidades de Pacheco." Paulo Guedes é o nosso Pacheco e seu imenso talento!

Assumiu o ministério prometendo mundos e fundos. Disse que o mundo ficaria admirado com a sua obra. Trinta e quatro meses depois ficamos sabendo que a grande realização de Paulo Guedes foi manter uma offshore em um paraíso fiscal que pode, segundo divulgado, ter valorizado seus ativos em mais de 15 milhões de reais. O Pacheco e seu imenso talento tupiniquim soube administrar muito bem seu patrimônio. Contudo, sua gestão ministerial foi um desastre: desemprego recorde, volta da inflação, recessão, estagflação. Neste longo período apresentou planos mirabolantes, mas nenhum deles se materializou.

Na célebre reunião de 22 de abril de 2020 - que o Brasil tomou conhecimento graças à decisão de Celso de Mello, que atendeu a solicitação da defesa do ex-ministro Sérgio Moro - apresentou números fantásticos de investimentos estrangeiros no Brasil que estavam apenas aguardando um sinal para chegar ao nosso país. Até hoje, nada. Guedes e seu imenso talento fez questão de afirmar na reunião que teria lido John Maynard Keynes três vezes. E em inglês! Uau! O mais interessante é que a citação de Keynes não tinha nenhuma relação com o que estava sendo falado - discutido seria um exagero, tendo em vista o caos da reunião. Ele precisava demonstrar, como um verdadeiro Pacheco, um saber que nunca teve.

Se tivesse dignidade, não teria mantido clandestinamente uma offshore sem que o Brasil soubesse. Não é uma questão de foro íntimo. É conflito de interesse. Mas como bom rastaquera despreza as nossas instituições, considera um favor viver no Brasil. Ama os Estados Unidos - mas é mais um país mítico do que real. Isto porque se lá fizesse o que fez no Brasil, não estaria mais no Ministério da Economia.

Paulo Guedes conseguiu combinar a falta de ética republicana com uma péssima gestão econômica. Era esperado. Só os oportunistas poderiam acreditar nas suas falácias. A associação do liberal de Chicago com o miliciano de Rio das Pedras jogou o país em uma crise que pode produzir o caos social.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL