PUBLICIDADE
Topo

Marco Antonio Villa

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Jair Bolsonaro queria a nossa morte

Presidente Jair Bolsonaro provoca aglomeração de seus apoiadores no "cercadinho" do Palácio da Alvorada - Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
Presidente Jair Bolsonaro provoca aglomeração de seus apoiadores no "cercadinho" do Palácio da Alvorada Imagem: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Marco Antonio Villa

Nasceu em 1955 na cidade de São José do Rio Preto, interior de São Paulo. Em Santo André passou parte da infância e da adolescência. Completou o Ensino Médio em São Paulo. Iniciou o curso de Economia mas acabou se formando em História na Universidade de São Paulo, onde também obteve os títulos de Mestre em Sociologia e Doutor em História. Foi durante trinta anos professor universitário. Atualmente possui um programa diário em seu canal YouTube que conta com mais de 105 MILHÕES de visualizações e mais de 622 MIL de seguidores. Suas entrevistas exclusivas no Canal YouTube Marco Antonio Villa - Blog do Villa chegam a alcançar quase 1 milhão de visualizações. É também comentarista do Jornal da Cultura e colunista da IstoÉ. Presente nas mídias sociais com mais de 2 milhões de seguidores além da presença em seu site www.cursosdovilla.com.br e o blog chamado "Blog do Villa". Com sua linguagem transversal, abrange não só o mundo acadêmico mas também um público heterogêneo e com interesse por história e política. Hoje é considerado um dos maiores conhecedores da História Política do nosso país com seus mais de 30 livros publicados, alguns dos quais tornaram- se best-sellers e referências bibliográficas para o estudo da História do Brasil nos séculos XIX,XX e XXI. Muitos de seus livros são citados em teses universitárias no Brasil, Europa e Estados Unidos. Autor de mais de 30 livros. Está prestes a lançar livro História Geral do Brasil.

Colunista do UOL

20/10/2021 09h09

Jair Bolsonaro queria nos matar. Ainda quer, mas com a intensificação da vacinação sua compulsão pela morte deve se desviar para outros meios. A pandemia tende a diminuir paulatinamente a macabra média diária de mortos. Mas Bolsonaro é insaciável. Logo vai encontrar algum móvel de luta política para recolocar como principal objetivo de sua ação criminosa o desejo mórbido de assassinar os brasileiros.

Toda a sua ação na pandemia teve como companhia o anjo da morte. Lutou com afinco para impedir a vacinação, a principal alternativa para impedir a circulação do vírus. Criou inúmeros obstáculos. Determinou ao Ministério da Saúde que não recebesse os emissários da Pfizer. Na CPI, o CEO da empresa apresentou comprovações de mais de uma dezena de tentativas para ser recebido no ministério - que tinha se transmudado: da Saúde para ministério do genocídio.

O atraso na compra e para o início da vacinação levou à morte milhares de brasileiros, para satisfação de Bolsonaro. Seu plano estava dando certo. Precisava saborear a cada dia a notícia de que estava aumentando o número de contaminados e mais ainda: estava crescendo exponencialmente o número de mortos. O Brasil poderia estar vacinando desde dezembro do ano passado - seria o primeiro país do mundo a iniciar a vacinação em massa. Mas Bolsonaro não poderia admitir que vidas fossem salvas. Era contra seu plano mórbido.

Espalhou diariamente que a imunização de rebanho seria o remédio eficaz contra o vírus. Quanto mais contaminados, melhor. Usou de todo o aparato governamental para produzir e divulgar em larga escala as fake news. E nisso contou com o apoio entusiástico - comprado a peso de ouro, registre-se - dos meios de comunicação de massa, especialmente dos concessionários de rádio e televisão.

Dissertou, com o apoio dos doutores Mengeles brasileiros, que havia remédios eficazes para o tratamento da covid-19, isso quando os principais centros de pesquisa médica no mundo diziam o contrário. Existia um consenso de que no momento da pandemia não havia nenhuma alternativa a não ser as restrições de circulação, a utilização de máscara, álcool gel, entre outras medidas. Tudo isso enquanto não fosse desenvolvida as vacinas.

Mas Bolsonaro precisava da morte para viver. O sangue de milhares de brasileiros era o seu alimento diário. Atacou o uso de máscaras, fomentou aglomerações, desprezou as recomendações da OMS e espalhou mentiras sobre as vacinas. Chegou até a comemorar a morte de um participante de uma das fases experimentais da Coronavac - que não tinha qualquer ligação com a vacina, tinha se suicidado.

Contudo, para Jair Bolsonaro a batalha pela morte continuava. Fez de tudo um pouco para que brasileiros fossem para o matadouro da pandemia. Contou com a complacência bovina de boa parte da população, que, sem tradição histórica de resistência, acabou aceitando passivamente a ação criminosa do Presidente da República.

Poucos foram os atores políticos que enfrentaram a ação perversa de Bolsonaro. Se hoje temos boa parte da população vacinada e a retomada da atividade econômica, não podemos esquecer que o país tem uma dívida para com aqueles que enfrentaram o anjo da morte e adotaram as medidas necessárias que garantiram a vida de milhões de brasileiros.

Jair Bolsonaro é um homicida. Desejou a nossa morte. Fez de tudo para impor como política de Estado o extermínio de milhares de brasileiros. Riu dos que morreram. Chegou a imitar os que não conseguiam mais respirar. E o Brasil - doente pela ausência de uma ira cívica - assistiu à maior tragédia sanitária da nossa história.

O mínimo que se espera é justiça. Não é possível passar o pano e esquecer mais de 600 mil famílias destruídas pela ação criminosa, planejada, pelo assassino que ocupa a Presidência da República.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL