PUBLICIDADE
Topo

O que as últimas duas eleições dizem sobre a votação de 2020 no Rio

Marcelo Crivella, que deve disputar a reeleição no Rio - Marcelo Crivella (FOTO: Divulgação)
Marcelo Crivella, que deve disputar a reeleição no Rio Imagem: Marcelo Crivella (FOTO: Divulgação)
Marcos Silveira

Marcos Silveira é Diretor Executivo da Datapedia (www.datapedia.info), negócio social que transforma dados em inteligência para política e Governo. Formado em Gestão Pública pela FGV-EAESP e especialista em Gestão Pública e Liderança pelo Master CLP, trabalhou com consultoria para prefeituras, governos estaduais, empresas e ONGs. Foi finalista do prêmio Veja-se Inspire em 2017 e faz parte da rede de Talentos da Educação da Fundação Lemann. Empreendedor cívico da Rede de Atuação pela Sustentabilidade – RAPS e membro do Movimento AGORA! Sobre a coluna Um espaço para transformar dados em inteligência para política e para gestão pública. Fazer a ponte de dados para informação e informação para conhecimento. De maneira simples, didática e visual.

Colunista do UOL

15/01/2020 04h00

O novo ano chegou e faltam 263 dias para as eleições municipais de 2020.

Será uma eleição desafiadora, ainda com os efeitos da mudança que ocorreu em 2018.

Esta coluna será um espaço para analisar as possibilidades de cenários eleitorais para algumas cidades em 2020. Utilizando dados e gráficos, vamos tentar ser visuais, simples e didáticos.

Rio de Janeiro

A primeira análise será sobre a cidade do Rio de Janeiro, um território que enfrenta grandes desafios: austeridade fiscal, violência e recente crise nos serviços de saúde pública.

Como resultado, o atual prefeito Marcelo Crivella (PRB) aparece, na última pesquisa Datafolha, em terceiro lugar com intenções de votos entre 8% a 9%, atrás de Eduardo Paes (22%) e Marcelo Freixo (18%). A rejeição do atual mandatário era de 72% de rejeição na época da pesquisa (dezembro de 2019).

Diante dessa alta rejeição, vamos explorar o que pode acontecer em 2020.

Possibilidades para 2020

Crivella enfrenta dificuldades para entregar resultados. São baixas as chances de reverter sua rejeição.

Apostou na ideologia, como no episódio de censura da Bienal do Livro, em vez de focar na resolução de problemas concretos da cidade.

Errou na avaliação do cargo que ocupa.

Um prefeito é demandado como um síndico que precisa mostrar serviço. Suas frases e ideologias valem até a página 2, desde que ele mostre um plano ou resolva o problema da população.

Errou no entendimento de regras.

Pois, o que justifica a democracia é seu mecanismo de afastar um representante ruim. Não se trata de um modelo de escolha, na verdade não temos controle sobre a oferta de candidatos, mas sim sobre o ótimo sistema de rejeição da sociedade para um político ruim ficar apenas um mandato.

Desse modo, o cenário provável é de disputa entre Eduardo Paes e Marcelo Freixo.

Paes x Freixo - 2020

A avaliação inicial entre Paes e Freixo parte da criação que fizemos na Datapedia com o mapa abaixo de votos georreferenciados na cidade.

Temos uma simulação de comparação com as últimas eleições majoritárias que concorreram:

  • Marcelo Freixo como candidato a prefeito no 2º turno com Crivella - 2016.
  • Eduardo Paes como candidato a governador no 2º turno com Witzel - 2018.

Freixo (vermelho) e a votação no 2º turno de 2016 e Paes (laranja) e o desempenho na etapa final de 2018 - Plataforma Eleições - Datapedia (www.datapedia.info)
Freixo (vermelho) e a votação no 2º turno de 2016 e Paes (laranja) e o desempenho na etapa final de 2018
Imagem: Plataforma Eleições - Datapedia (www.datapedia.info)

Destaques relevantes do mapa:

  • Eduardo Paes foi o campeão de votos em 2018 na eleição de governador na cidade do Rio de Janeiro no 2º turno. Venceu com 51,69% dos votos na cidade e teve 40,13% dos votos totais válidos no Estado. Não foi eleito governador, mas ganhou na cidade.
  • Marcelo Freixo foi derrotado em 2016 por Crivella, com 40,64% dos votos válidos.
  • Paes em 2018 apresenta vantagem em todos os bairros quando comparado com Freixo em 2016.

Vamos para a avaliação dos pleitos individuais. Aqui está o georreferencimento de votos no 2º turno 2016 para prefeito no Rio de Janeiro:

Georreferenciamento de votos no 2º turno de 2016. Em vermelho, maioria de votos para Freixo; em azul, Crivella - Datapedia
Georreferenciamento de votos no 2º turno de 2016. Em vermelho, maioria de votos para Freixo; em azul, Crivella
Imagem: Datapedia

  • Freixo foi mais votados na zona sul
  • Freixo foi derrotado em bairros da zona norte (Honório Gurgel, Deodoro, Costa Barros, Pavúna, Irajá e Penha) e da zona oeste (Bangu, Realengo, Campo Grande e Santa Cruz)

E aqui temos o georreferencimento de votos no 2º turno 2018 para governador no Rio de Janeiro:

Georreferenciamento de votos no 2º turno de 2018. Em laranja, maioria de votos para Paes; em verde, para Witzel - Datapedia
Georreferenciamento de votos no 2º turno de 2018. Em laranja, maioria de votos para Paes; em verde, para Witzel
Imagem: Datapedia

  • Paes tem como diferencial as vitórias no centro e em bairros na região oeste (Barra, Recreio e Guaratiba) e parte da região norte (Engenho de Dentro, Pilares e Cachambi)

A avaliação geral dos mapas dá mais pontos para Paes.

De todo modo, janeiro irá fluir até outubro e novos caminhos podem surgir.

Paes conseguirá se desvincular das investigações de corrupção que ocorreram no estado e no município? Será que a população dará importância para o tema?

Freixo conseguirá furar a bolha da zona sul? Será que está seguindo a melhor estratégia com uma composição de chapa mais à esquerda, com Benedita da Silva, do PT?

Algum novo concorrente pode ganhar visibilidade?

Marcos Silveira