PUBLICIDADE
Topo

Covid-19: gráfico da curva está nos enganando

Marcos Silveira

Marcos Silveira é Diretor Executivo da Datapedia (www.datapedia.info), negócio social que transforma dados em inteligência para política e Governo. Formado em Gestão Pública pela FGV-EAESP e especialista em Gestão Pública e Liderança pelo Master CLP, trabalhou com consultoria para prefeituras, governos estaduais, empresas e ONGs. Foi finalista do prêmio Veja-se Inspire em 2017 e faz parte da rede de Talentos da Educação da Fundação Lemann. Empreendedor cívico da Rede de Atuação pela Sustentabilidade – RAPS e membro do Movimento AGORA! Sobre a coluna Um espaço para transformar dados em inteligência para política e para gestão pública. Fazer a ponte de dados para informação e informação para conhecimento. De maneira simples, didática e visual.

Colunista do UOL

06/04/2020 19h00

A pandemia mudou muito nossa rotina.

A curva do COVID-19 agora é quem manda. Os amigos no zap, jornalistas, economistas, a família, todos preocupados. Todos de olho na curva.

A cobertura jornalística entrou no efeito manada. Afinal, as atualizações sobre a COVID-19 são informações tentadoras para a mídia, pois são atualizadas dia-a-dia. Há possibilidade de comparações com outros países ou cidades. Rende a pauta e gráficos bonitos.

Dessa forma, há uma sensação de que a curva da COVID-19 seja o GPS da quarentena.

Porém, é um grande erro achar que hoje temos um recurso tecnológico preciso e avançado que nos dá a real dimensão de casos da doença e das mortes por ela ocasionadas.

Explico aqui as razões:

1) Fator do novo: devemos olhar para o grupo abrangente de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)

Por ser nova entre o grupo de doenças referido, a COVID-19 requer teste específico de comprovação.

Porém, a estimativa atual é de que a capacidade brasileira para produção de testes no Brasil seja de 6.700 por dia.

Essa quantidade é muito baixa se comparada a de outros países acometidos pela pandemia, como na Coréia do Sul e Singapura.

A baixa produtividade atrasa a identificação da doença no modelo atual da curva.

Há casos de espera de mais de 30 dias para resultado de exame do COVID-19.

Há casos de óbitos não confirmados de COVID-19.

O gargalo de testes distorce a curva e gera uma análise de 3 a 4 semanas de atraso nos resultados.

A COVID-19 é uma doença respiratória aguda.

Sendo assim, o olhar estatístico da notificação de casos deve priorizar o grupo abrangente de internações e óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

No último dia 3 de abril, o Ministério da Saúde divulgou o Boletim Epidemiológico 6 - sobre o Coronavírus.

Nele está a real dimensão do problema: a análise das hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Brasil em 2019 e 2020.

Nas primeiras 13 semanas de 2020, foram totalizadas 23.999 por SRAG.

Um número quase 4 vezes maior do que a comparação de 7.761 hospitalizações no mesmo período de 2019.

Veja o gráfico oficial:

Datapedia a partir de Boletim Epidemiológico 6 - Ministério da Saúde
Imagem: Datapedia a partir de Boletim Epidemiológico 6 - Ministério da Saúde

Há, portanto, um grande indício de subnotificação, seja por faltas de testes, seja por demora nos resultados desses.

Do total de 23.999 das hospitalizações de SARG, apenas 7% foram confirmadas como COVID-19, isto é, 1.587 casos.

Veja o gráfico oficial do Ministério da Saúde:

Ministério da Saúde / Boletim Epidemiológico 6 de 03 de abril de 2020
Imagem: Ministério da Saúde / Boletim Epidemiológico 6 de 03 de abril de 2020

Dados atualizados e confiáveis são fundamentais no combate à COVID-19.

Investigar 100% dos casos de hospitalizações por SRAG é urgente para entendermos a real situação de nossa curva.

2) Fator político: "Quando uma medida torna-se um alvo, ela deixa de ser uma boa medida."

O professor da London School os Economics, Charles Goodhart, cunhou a frase sobre o uso político de indicadores de gestão.

"Quando uma medida/variável passa a ser o centro das atenções de decisões políticas, ela perderá seu valor como indicador."

A lei de Goodhart alerta para a manipulação de dados em razão da alta relevância política da informação.

Infelizmente, a Lei de Goodhart está influenciado a curva do COVID-19 no país, conforme noticiado por Fenando Canzian, dia 2 de abril, na reportagem - Estados e municípios no país relatam subnotificação gigantesca de casos.

De um lado, o governo federal deseja que a curva seja reduzida e faz com que ela seja percebida como uma "gripezinha".

Por outro lado, governos estaduais querem forçar a curva para baixo, dando sinais rápidos de que a quarentena está funcionando.

Conclusão: não temos um GPS, temos o equivalente a um mapa do século 16

Há uma sensação de que a curva de casos e óbitos é nosso GPS do Coronavírus.

Porém, isso é falso.

Achamos que entramos em um táxi e deixamos o motorista seguir o GPS.

Porém, na verdade, voltamos para os anos 1.500 e estamos navegando uma caravela. Temos uma bússola, um esboço de mapa e nosso conhecimento sobre a costa brasileira é mínimo.

A explosão de hospitalizações decorrentes da Síndrome Respiratória Aguda Grave não está ganhando a devida atenção.

Apenas 7% desses casos foram confirmados como COVID-19.

Isso é muito preocupante para o momento que estamos vivendo.

A aplicação de testes é urgente.

Há fortes evidências para indicar que o número de casos não está sendo registrado com veracidade.

Minha proposta é cobrar a abertura de dados de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave diagnosticados, hospitalizados e causas de morte. Dia a dia, até conseguirmos aumentar nossa capacidade de testes específicos da COVID-19.

O importante é que todos sejam parte da solução.

Se você puder, fique em casa.

Nota técnica 1: Aqui está o link para o Boletim 6 do Ministério da Saúde

Nota técnica 2: Link Datapedia

Nota de agradecimento para Mariana Malagutti pelas contribuições e revisão de texto

Marcos Silveira