PUBLICIDADE
Topo

Precisou Regina entrar no elenco para Olavo assumir a direção da Cultura

Maurício Ricardo

Maurício Ricardo é jornalista, cartunista e empresário no segmento da Educação. Formado em História, é um dos produtores pioneiros de conteúdo multimídia para a Internet brasileira. É criador do premiado site de animações Charges.com.br, lançado em fevereiro de 2000. Em 2019 migrou suas análises políticas, no formato vlog, para o canal de YouTube "Fala, M.R.". Lá, compartilha suas visões sobre política, cotidiano, música e tecnologia, que ganham também versões em texto nesta coluna.

Colunista do UOL

03/03/2020 18h47

No clássico Roque Santeiro Regina Duarte viveu a fogosa viúva Porcina, a que "foi sem nunca ter sido". É mais ou menos a posição de Olavo de Carvalho no governo de Jair Bolsonaro: Olavo é membro importante do gabinete bolsonarista sem jamais ter ocupado qualquer cargo. Pior: negando qualquer ligação ou influência com o poder em Brasília.

Isso até ontem: diante da notícia de que Regina Duarte pretendia se livrar de seus discípulos espalhados pela Secretaria de Cultura, pela primeira vez (e desmentindo a si próprio) Olavo admitiu indiretamente que é ele quem está na direção daquele tal projeto "heroico e nacionalista", cujo anúncio exótico levou à demissão de Roberto Alvim. Pelo menos afirmou publicamente que foi consultado pelo presidente antes da nomeação da nova secretária e exigiu dela uma posição pública sobre o futuro de seus pupilos no governo.

Este é o tema do meu vídeo de hoje: