PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Criador de The Wire desiste de gravar no Texas por causa de lei antiaborto

O roteirista David Simon, criador de "The Wire", considerada uma das melhores séries de todos os tempos - Dia Dipasupil/Getty Images/AFP
O roteirista David Simon, criador de "The Wire", considerada uma das melhores séries de todos os tempos Imagem: Dia Dipasupil/Getty Images/AFP
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

23/09/2021 15h41

David Simon, criador das séries "The Wire" e "Show me a Hero", anunciou que não vai mais gravar no Texas um novo projeto para a HBO devido à aprovação de uma lei que proíbe a realização de abortos no Estado após seis semanas.

"Estou entregando roteiros no mês que vem de uma minissérie de não ficção da HBO baseada em eventos no Texas, mas não posso e não vou pedir ao elenco e à equipe feminina que renuncie às liberdades civis para filmar lá", escreveu no Twitter.

Diante de protestos da indústria cinematográfica local, Simon esclareceu que não se trata de um boicote ou um ato político, mas simplesmente um compromisso com as mulheres que participarão da produção.

"Minha responsabilidade é garantir e manter as liberdades civis de todos aqueles que empregamos durante uma produção", disse, assegurando às funcionárias "controle total de seus próprios corpos e de suas escolhas". E acrescentou: "Se uma lei negar isso ou criminalizar ainda mais nossa tentativa de ajudá-las a exercer esse controle, deveríamos filmar em outro lugar".

A lei entrou em vigor neste mês no Texas, o segundo estado mais populoso do país. Trata-se da legislação mais restritiva aprovada nos EUA desde a legalização do aborto, nos anos 1970. Ela também permite que qualquer pessoa, conhecendo ou não a mulher, processe os que a ajudem no procedimento depois do prazo legal de seis semanas.

Para o presidente Joe Biden, a legislação aprovada no Texas "viola descaradamente o direito constitucional". Ele informou que o governo federal vai trabalhar para garantir o direto das mulheres. O governo federal, inclusive, está processando o Estado.