PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Paulo Sampaio


Brasileira gasta 1 milhão em plásticas para parecer com Kourtney Kardashian

Nathy e Kourtney: praticamente a mesma pessoa - Arquivo Pessoal
Nathy e Kourtney: praticamente a mesma pessoa Imagem: Arquivo Pessoal
Paulo Sampaio

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

Colunista do UOL

06/06/2020 04h00

Já seria suficientemente curioso ouvir de uma mulher que ela gastou R$ 1 milhão em cirurgias plásticas para ficar com a cara de outra. Não contente, a modelo brasileira Nathy Kihara afirma que é "coach de autoestima". Parece contraditório, mas ainda assim Nathy, que mora entre a Itália e os Estados Unidos, declara sem rodeios que é obcecada pela figura da socialite-influencer norte-americana Kourtney Kardashian, membro de uma família que faz qualquer coisa para aparecer e se tornou famosa por escancarar seu dia a dia em um reality show.

"Por dentro, eu sou a mesma", garante Nathy, 34 anos. "Minha personalidade não mudou."

Ela diz que não perde um capítulo da série "Keeping Up With the Kardashians", ou KUWTK, cujo elenco reúne Kourtney e as irmãs, Kim e Khloé; a mãe delas, Kris; o pai, Caitlyn Jenner (que antes de passar por uma cirurgia de redesignação sexual se chamava Bruce Jenner); as meias-irmãs das primeiras, Kendall e Killie Jenner, e o irmão Robert Kardashian Jr.

Nathy cismou com Kourtney. "Gosto do caráter dela, da maneira como se coloca no mundo, seu lifestyle", explica.

O clássico "antes e depois" - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
O clássico "antes e depois"
Imagem: Arquivo Pessoal

Bacharel em direito

Além de se apresentar como modelo e coach de autoestima, Nathy Kihara diz que é bacharel em direito formada na Espanha e fez curso de personal-stylist em Milão. Acumula ainda o título recém-outorgado de "coelhinha oficial internacional da revista Playboy". "Isso me deu muita projeção, nossa!, eu não paro de trabalhar", diz.

Feliz da vida, a modelo conta que os dividendos do transformismo já estão pipocando. Na terça-feira, 3, ela foi manchete do jornal americano "New York Post", em uma matéria cujo título era: "Nem mesmo o coronavírus fará a sósia de Kourtney Kardashian parar com as cirurgias plásticas".

No New York Post - Reprodução - Reprodução
No New York Post
Imagem: Reprodução

Ao jornal que a trata como "facsímile de Kourtney Kardashian", Nathy diz que "com vírus ou sem vírus eu vou continuar fazendo cirurgias".

Junto com a extravagante declaração, o "New York Post" informa que o título de coelhinha da Playboy veio uma semana depois de o Brasil superar os Estados Unidos no número diário de mortos por covid-19.

Tá namorando

Mineira de Paracatu, cidade a 480 km de Belo Horizonte, Nathy é a filha mais velha de um DJ, tem três irmãos homens e diz que sua mãe "desapareceu". "Meu pai é um grande amigo e incentivador", afirma ela, que está no Brasil para resolver negócios.

Conta que foi pedida em namoro há três dias pelo treinador Guilherme Pacheco, que é quatro anos mais jovem. Os dois se conheceram no começo de maio, pela internet, e agora serão sócios em uma marca de roupas de ginástica e suplementos. "Consegui entender a vida agitada que ela leva", diz Pacheco, que é bronzeado, sarado e posta seus treinos nas redes sociais. Agacha, levanta, pula corda, faz abdominal e flexão. Agacha, levanta etc.

Dois momentos de Nathy: "Eu era completamente diferente" - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Dois momentos de Nathy: "Eu era completamente diferente"
Imagem: Arquivo Pessoal

Projeto KK

Além da sociedade com o novo namorado, Nathy pretende seguir o projeto estético KK. Ela diz que só se submete à cirurgias plásticas com um médico de Paracatu. Fez mais de dez. Apesar da aparente resignação de doutor Stanley, ela jura que ele já disse "não". "Eu quis preencher um pouquinho mais os lábios, e dar um retoque no nariz, ele se recusou", lembra.

Até agora, a transfiguração de Nathy já consumiu dois anos, mas, segundo ela, ainda está longe do fim. E haja "não" do doutor Stanley.

Paulo Sampaio