PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Paulo Sampaio


Como se comportam os manifestantes em atos pró e contra Bolsonaro

Dupla sem muito entusiasmo exige intervenção militar já - Paulo Sampaio/UOL
Dupla sem muito entusiasmo exige intervenção militar já Imagem: Paulo Sampaio/UOL
Paulo Sampaio

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

Colunista do UOL

08/06/2020 08h00

Os participantes de uma pequena manifestação pró-Bolsonaro e anti-Dória ocorrida ontem na Avenida Paulista ovacionam alegremente um ônibus cinza-chumbo que passa no local, em cujas laterais se lê CHOQUE.

Êêêêêê!

Estão ali cerca de 100 pessoas, a maioria com idades acima dos 40 anos. Sempre que o sinal fecha, dois homens vão para o meio da pista e estendem uma faixa verde com as inscrições: "Nós exigimos intervenção militar já, com Bolsonaro no poder".

Apesar do conteúdo tonitruante da mensagem, os dois não parecem muito entusiasmados. A impressão é a de que estendem e dobram a faixa mecanicamente, sem ter muita ideia de como a intervenção vai se dar na prática. Tento saber, mas eles não falam com a "imprensa vendida".

Não muito deprimida

Ali perto, um grupo de mulheres afirma que está no ato para reafirmar seu apoio a Bolsonaro, mas principalmente para protestar contra o governador e o prefeito. "Quero o Covas debaixo da cova! É um safado, adestrado pelo Dória", diz a cabeleireira Maria Lúcia Xavier, 58 anos.

Elas clamam pela abertura do comércio: "Olha o meu cabelo que mal cortado! Tô horrorosa", diz a enfermeira Lourdes Dudus, 68, virando para mostrar o rabo de cavalo. "Coloca aí que eu estou com depressão. E estou mesmo. Não muito, mas estou."

Para a professora Fátima Souza, 65, que veio de Sorocaba, "o Dória tem de ir para a cadeia". "Quem votou nele vai pegar covid!"

Lourdes Dudus (com a bandeira do Brasil) é a favor da flexibilização da quarentena para salões de beleza: "Olha o meu cabelo que mal cortado! Tô horrorosa" - Paulo Sampaio/UOL - Paulo Sampaio/UOL
Lourdes Dudus (com a bandeira do Brasil) é a favor da flexibilização da quarentena para salões de beleza: "Olha o meu cabelo que mal cortado! Tô horrorosa"
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Pela democracia

A cerca de 6 km da Paulista, no Largo da Batata, em Pinheiros, zona oeste, por volta de 3 mil pessoas estão reunidas em uma outra manifestação, antifascista, antirracista, antigoverno e pela democracia. Acompanhado de quatro amigos, o mecânico Johnny Alves, 21 anos, conta que eles não conseguiram chegar no início, como haviam planejado, porque um grupo de policiais os deteve. "Fomos enquadrados, e por isso perdemos meia hora da manifestação."

Comento a ovação ao ônibus do CHOQUE, na Paulista, e Johnny diz sem raiva: "Lá eles fazem selfie com a polícia, aqui a gente é revistado."

De acordo com a PM, as duas manifestações se realizaram pacificamente. Na Paulista, os manifestantes respondiam raivosamente a motoristas enfurecidos, que gritavam "Fascistas!" e "Fora Bolsonaro!". Em Pinheiros, alguns jovens quiseram exibir sua valentia, mas não conseguiram atenção.

Os participantes da manifestação do Largo da Batata caminharam até a rua dos Pinheiros; uma das pautas era o combate ao racismo - Paulo Sampaio/UOL - Paulo Sampaio/UOL
Os participantes da manifestação do Largo da Batata caminharam até a rua dos Pinheiros; uma das pautas era o combate ao racismo
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Diversidade exaltada

A princípio, os dois protestos ocorreriam na Paulista, mas como eram antagônicos, os organizadores do ato pela democracia acabaram concordando em migrar para Pinheiros, a fim de evitar conflitos. Ali, o público é majoritariamente jovem. A faixa etária estimada está entre 20 e 30 anos. Diferentemente da Paulista, onde o grupo é mais homogêneo, composto basicamente por pessoas brancas, de classe média, em Pinheiros a diversidade é orgulhosamente exaltada.

"Somos três movimentos muito unidos, aqui cabe todo mundo. Você vai ver preto, branco, LGBT, gente da periferia, de Pinheiros, do Centro, só fazemos restrição a antidemocratas", diz o professor Adilson Matos, 31.

Corpos, não pensatas

Segundo a advogada Aline Tibério, 33 anos, "o mérito da manifestação (de Pinheiros) é do movimento estudantil de 2015". "Isso que você está vendo aqui não surgiu do nada. É consequência da ação de estudantes de escolas públicas da periferia."

Para a advogada, a presença física de manifestantes é fundamental. "A pessoa escreve aquele textão nas redes sociais, acho lindo, mas o que a gente precisa é de corpos, não de pensatas. Não existe morte pior do que a do esquerdista de boteco."

A advogada Aline Tibério e um grupo de manifestantes: "A gente precisa de gente na rua, não de esquerdistas de boteco" - Paulo Sampaio/UOL - Paulo Sampaio/UOL
A advogada Aline Tibério e um grupo de manifestantes: "A gente precisa de gente na rua, não de esquerdistas de boteco"
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Máscaras e quarentena

No ato da Paulista, muitos participantes não usam máscaras, o que parece coerente com as ideias do personagem que defendem. Bolsonaro chegou a rir da pandemia. Agora que ficou mais complicado ajustar o desprezo do presidente com o crescimento exponencial do número de vítimas, o Ministério da Saúde tem divulgado dados divergentes a respeito de novos casos e óbitos.

No Largo da Batata, a grande maioria usa máscara. Mesmo que não usasse, diz o assessor jurídico Henrique Novaes, 21 anos, ninguém estaria "furando a quarentena".

"Não existe quarentena para quem vive na periferia. As pessoas que trabalham naquilo que o próprio governador considera serviços essenciais, como supermercados, farmácias, padarias, moram longe, em bairros populosos, pegam ônibus cheios e atendem muita gente todo dia. São elas que fazem tudo funcionar."

Queima rosca!

Boa parte dos manifestantes da Paulista rejeita jornalistas e demonstra isso em um linguajar olaviano. Um manifestante que se identifica apenas como Carlos, e se arrepende de ter falado seu nome quando eu digo que trabalho para o UOL, passa a me perseguir como uma assombração. "Vagabundo, maconheiro, queima rosca!", repete ele. "Vai puxar um!"

Um casal na faixa dos 60 vocifera que não dá entrevistas para quem cria fake news. Não insisto, porque ambos estão sem máscara, e, em sua fúria verborreica, o marido lança perdigotos.

Como em um filme da "Sessão da Tarde" para adolescentes, em que o vilão da escola é denunciado e expulso, o casal passa a anunciar em voz alta a "presença de um repórter da mídia suja": "Gente, cuidado! Não dá entrevista pra ele não!"

Analfabeta burra!

De repente, no canteiro central da avenida, uma senhora de estimados 80 anos passa a gritar com outra, de uns 60: "Sua analfabeta, filha da puta! Burra!". Sem revelar nome nem idade, apenas a profissão, professora aposentada, a octogenária diz que a sexagenária empurrou um jovem que, de passagem, gritou "Fora Bozo!"

"Se ele é um menino mal educado, e empurra essa idiota de volta, vão dizer que ele bateu nela!", diz a professora, que tira a máscara várias vezes para xingar, e a recoloca, como se o vírus respeitasse sua indignação.

A "analfabeta burra", segundo relatos, é a enfermeira Lurdes Dudus, que no sexto parágrafo pede a flexibilização da quarentena para salões de beleza. Sobre o empurrão no jovem, Dudus argumenta: "Se ele era petista, o que estava fazendo aqui??"

Bolsonarista arrependida xinga participante do manifesto da Paulista: "Burra, analfabeta, acredita nesse salafrário!" - Paulo Sampaio/UOL - Paulo Sampaio/UOL
Bolsonarista arrependida xinga participante do manifesto da Paulista: "Burra, analfabeta, acredita nesse salafrário!"
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Aquariano falso

Em uma aparente contradição, a senhora que xinga os bolsonaristas revela que votou em Bolsonaro. Porém: "Quando estourou aquela bomba do Coaf, eu vi que vinha muita sujeira. Eu fui criada na política, meu filho."

Ela diz que não votaria no candidato do PT, Fernando Haddad, porque ele é "falso". "O Haddad é aquariano, você nunca sabe o que ele está pensando."

Diversidade x Humor

Apesar da considerável diversidade na manifestação de Pinheiros, é preciso reconhecer que nada se compara ao humor dos personagens que participaram do miniato da Paulista.

Um dos poucos a falar com a reportagem, o administrador Marcos Menezes dá um conselho valioso: "Não entendo porque vocês, jornalistas, brigam tanto com Bolsonaro. Ele é tão fácil de levar. Se você publicar a verdade, ele vai até dar dinheiro para a sua revista."

Para justificar eventuais "falhas" de Bolsonaro, o administrador afirma que, sendo o Brasil um país muito grande, "não dá para tomar conta de tudo".

"Mas pode anotar aí: o dia em que pegarem o presidente fazendo coisa errada, acabou o tempo dele."

O administrador Menezes: "O Brasil é grande, não dá para o presidente tomar conta de tudo" - Paulo Sampaio/UOL - Paulo Sampaio/UOL
O administrador Menezes: "O Brasil é grande, não dá para o presidente tomar conta de tudo"
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Bem informado

De calça e camiseta com estampa de camuflagem, Menezes acena para o ônibus do CHOQUE e diz: "O comando da polícia nos dá respaldo contra os terroristas da manifestação que se opõe ao governo. Não sei se você sabe, mas o Trump qualificou os manifestantes daqueles protestos nos Estados Unidos assim mesmo: terroristas."

Ele dá uma risada com o canto da boca e finaliza: "Viu como eu estou bem informado?"

Paulo Sampaio